Defesa de Gleisi e Paulo Bernardo rebatem acusações da PGR no Supremo

A Segunda Turma do Supremo julga ação penal na qual a senadora é acusada de receber R$ 1 milhão para sua campanha ao Senado em 2010

A Segunda Turma do STF começa a julgar ação penal contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o ex-ministro do Planejamento Paulo BernardoA Segunda Turma do STF começa a julgar ação penal contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

A defesa da senadora Gleisi Hoffmann e do ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo pediu nesta terça-feira (19) absolvição na ação penal na qual o casal é acusado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Leia também
No STF, PGR reforça pedido de condenação de Gleisi e Paulo Bernardo
Sob ataques, Gleisi tenta conter levante no PT

Nesta tarde, a Segunda Turma da Corte julga ação penal na qual a senadora é acusada de receber R$ 1 milhão para sua campanha ao Senado em 2010. Segundo a acusação, o valor foi desviado no esquema de corrupção na Petrobras e negociado por intermédio de Paulo Bernardo e do empresário Ernesto Kluger Rodrigues, que também é réu.

Para o advogado Rodrigo Mudrovitsh, representante da parlamentar, a PGR usou somente depoimentos de delações premiadas ao denunciar os acusados e não apresentou provas de que o recurso teria origem nos desvios da Petrobras. Na denúncia, a procuradoria usou depoimentos do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa para embasar a acusação. “Penso que a própria PGR não teria oferecido a denúncia no tempo atual. É inquestionável no presente caso que o substrato da denúncia é exclusivamente fulcrado em palavras de colaboradores premiados, que sequer auto confirmam”, argumentou a defesa da senadora.

O advogado de Paulo Bernardo afirmou que as provas obtidas pela procuradoria são frágeis. Segundo Juliano Breda, Paulo Roberto Costa afirmou nos depoimentos que nunca foi procurado pelo ex-ministro para pedir valores. “Paulo Roberto Costa desqualifica todos os elementos do tipo objetivo da corrupção passiva em relação a Paulo Bernardo. O colaborador Paulo Roberto Costa taxativamente afirma que Paulo Bernardo não solicitou vantagem indevida, nunca tratou de qualquer irregularidade, muito menos que esse teria aceitado algum tipo de vantagem”, disse a defesa.

De acordo com o presidente do colegiado, Ricardo Lewandowski, o julgamento deve terminar hoje. A Segunda Turma é composta pelos ministros Edson Fachin, relator da ação, Celso de Mello, Gilmar Mendes, Dias Toffoli, além do presidente. O advogado de Ernesto Kluger sustentou que não há provas para justificar a condenação do empresário. Segundo José Carlos Cal Garcia, os depoimentos de delação premiada de Youssef e Paulo Roberto Costa têm diversas versões contraditórias sobre os fatos e comprovam que os repasses não ocorreram.

Veja também

Criticado por postura na pandemia, Bolsonaro faz passeio de motocicleta em Brasília
Planalto

Criticado por postura na pandemia, Bolsonaro faz passeio de motocicleta em Brasília

Após esquerda, grupos à direita promovem carreatas contra Bolsonaro
Impeachment

Após esquerda, grupos à direita promovem carreatas contra Bolsonaro