Defesa de Lula entrega ao STF parecer contra prisão após segunda instância

Na próxima quarta-feira (4), a Suprema Corte retomará julgamento do habeas corpus protocolado pelo ex-presidente Lula para evitar a execução provisória da sua pena de 12 anos e um mês de prisão pela ação penal do tríplex do Guarujá (SP), um dos processos

Lula em caravana em São Leopoldo, no RSLula em caravana em São Leopoldo, no RS - Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entregou nesta segunda (2) ao Supremo Tribunal Federal (STF) um parecer do jurista José Afonso da Silva contra a prisão de condenados criminalmente após o fim de todos os recursos na segunda instância da Justiça.

Na próxima quarta-feira (4), a Suprema Corte retomará julgamento do habeas corpus protocolado pelo ex-presidente para evitar a execução provisória da sua pena de 12 anos e um mês de prisão pela ação penal do tríplex do Guarujá (SP), um dos processos da Operação Lava Jato.

No entendimento do jurista, a execução da pena de Lula antes do trânsito em julgado é inconstitucional.

"O princípio ou garantia de presunção de inocência tem extensão que lhe deu o art. 5º da Constituição Federal, qual seja, até o trânsito em julgado da sentença condenatória. A execução da pena antes disso viola gravemente a Constituição num dos elementos fundamentais do estado democrático de direito, que é um direito fundamental”, diz Silva.

Leia também:
STF julga nesta semana habeas corpus preventivo de Lula
Lula pretende processar a Netflix por 'O Mecanismo'

Liminar

No dia 22 de março, a maioria dos ministros decidiu conceder uma liminar ao ex-presidente Luiz que impede a prisão dele até o julgamento do mérito do habeas corpus preventivo, que deve ocorrer nesta quarta.

Na semana passada, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), segunda instância da Justiça Federal, manteve a condenação de Lula a 12 anos e um mês de prisão. Após a análise desse último recurso, a prisão dele poderia ser determinada com base na decisão do STF que autorizou, em 2016, a prisão de condenados pela segunda instância da Justiça, mas a liminar da Corte impediu a efetivação da decisão.

 

Veja também

Bolsonaro tenta evitar que compra da mansão de Flávio afete apoio ao governo
Política

Bolsonaro tenta evitar que compra da mansão de Flávio afete apoio ao governo

Lira confirma para hoje votação de texto que facilita compra de vacina
Política

Lira confirma para hoje votação de texto que facilita compra de vacina