Política

Defesa de Lula pede que STJ suspenda inelegibilidade do ex-presidente

O pedido de suspensão foi feito para que Lula possa concorrer na eleição deste ano

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da SilvaEx-presidente Luiz Inácio Lula da Silva - Foto: Miguel Schincariol / AFP

No habeas corpus levado ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pede a suspensão da sua inelegibilidade, a fim de que ele possa concorrer na eleição deste ano. Na semana passada, Lula foi condenado por lavagem de dinheiro e corrupção passiva em segunda instância, pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

Nesta terça-feira (30), a defesa recorreu ao STJ com um pedido de habeas corpus preventivo para afastar a possibilidade de antecipação de cumprimento da pena de 12 anos e um mês de prisão em regime fechado. A informação foi antecipada pela colunista da Folha, Mônica Bergamo.

Na prática, a defesa de Lula pediu uma espécie de "superliminar" para anular a decisão do TRF-4. Pela Lei da Ficha Limpa, o petista fica inelegível e não pode concorrer na eleição deste ano.

Leia também:
Lula pede habeas corpus no STJ para evitar prisão
Defesa de Lula irá à ONU denunciar Moro e reclamar de perseguição


Mas os advogados argumentam que a inelegibilidade pode ser afastada com base no artigo 26-C da Lei Complementar nº 64/1990, que determina: "O órgão colegiado do tribunal ao qual couber a apreciação do recurso contra as decisões colegiadas () poderá, em caráter cautelar, suspender a inelegibilidade sempre que existir plausibilidade da pretensão recursal e desde que a providência tenha sido expressamente requerida, sob pena de preclusão, por ocasião da interposição do recurso".

Depois da condenação pelo TRF-4, o PT lançou Lula para presidente na eleição deste ano. No documento, a defesa afirma que, se Lula ficar fora da corrida eleitoral, a democracia brasileira sofrerá "prejuízo irreversível".

"A privação de sua liberdade no período de campanha (ou pré-campanha) eleitoral, consideradas as credenciais acima referidas, configurar-se-ia em um prejuízo irreversível ao exercício da democracia no país –que pressupõe o debate de ideias muitas vezes antagônicas entre si", diz o texto.

"Garantir liberdade de trânsito e voz a alguém que representa tantos brasileiros, especialmente neste período de conflagração sócio-política que se atravessa, é conferir efetividade aos fundamentos de nossa República, que se alicerça no pleno exercício da cidadania e do pluralismo político."

O habeas corpus está com o ministro Humberto Martins, vice-presidente do STJ. Ele comanda os trabalhos no recesso do tribunal até esta quarta (31). A partir de quinta (1º) o caso vai para o gabinete do colega Félix Fischer, relator da Lava Jato no STJ.

Segunda instância
Na semana passada, os desembargadores do TRF-4 mantiveram a condenação do juiz Sergio Moro no caso do tríplex do Guarujá, aumentaram o tempo de prisão de Lula e disseram que a execução provisória da pena deve começar após esgotados os recursos da defesa no tribunal.

No habeas corpus impetrado no STJ, a defesa diz ainda que o STF (Supremo Tribunal Federal) deve voltar a discutir a execução provisória da pena e, portanto, o STJ deve suspender uma eventual prisão de Lula.

Nos bastidores do STJ, a avaliação é que Lula entrou com o habeas corpus a fim de acelerar a tramitação do caso até o STF. Os cálculos consideram os prazos para que os recursos de Lula sejam julgados pelos relatores e nos colegiados da Lava Jato.

As chances de Lula são consideradas maiores no STF do que no STJ. Rachado, o Supremo tem dado decisões divergentes sobre prisão após condenação em segundo grau.

Na semana passada, a presidente da corte, Cármen Lúcia, disse a interlocutores que pautaria uma ação para ser discutida no plenário e unificar a jurisprudência do tribunal a respeito do tema.

Na noite de segunda (29), a ministra recuou e disse que o tribunal vai se "apequenar" se aproveitar a condenação do ex-presidente para rediscutir a prisão de condenados em segunda instância.

Colegas de Cármen Lúcia, no entanto, dizem que vai ser difícil evitar que o assunto volte a ser discutido justamente por causa da pressão provocada pelo caso Lula. Um magistrado destaca que o PT nomeou 7 dos 11 ministros do Supremo e que uma eventual prisão do ex-presidente não é um tópico simples.

Veja também

Raquel Lyra apresenta Fred Loyo como suplente ao Senado
ELEIÇÕES 2022

Raquel Lyra apresenta Fred Loyo como suplente ao Senado

Defesa de Gabriel Monteiro diz que atos do político só enobrecem vereadores
Justiça

Defesa de Gabriel Monteiro diz que atos do político só enobrecem vereadores