Defesa de Lula tenta, sem sucesso, adiar julgamento de habeas corpus no STF

Pedido de adiamento se deu porque defesa impetrou outro habeas corpus e advogado do ex-presidente argumentou que deveriam ser analisados juntos

O advogado de Lula, Cristiano Zanin, durante sessão na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF)O advogado de Lula, Cristiano Zanin, durante sessão na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentou adiar o julgamento de um habeas corpus pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), na tarde desta terça-feira (4). A maioria do colegiado, porém, decidiu manter a análise do caso.

No pedido de habeas corpus a defesa de Lula sustentou que o ex-juiz Sergio Moro, que condenou o petista na Lava Jato, agiu de forma parcial e com motivação política. Prova disso, segundo a defesa, é que Moro aceitou o cargo de ministro da Justiça no governo de Jair Bolsonaro (PSL), adversário político de Lula. Os advogados pediram a soltura imediata de Lula e a anulação do processo que levou à sua condenação. Lula foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro a 12 anos e um mês de prisão no caso do tríplex de Guarujá (SP).

No início da sessão nesta terça, o advogado de Lula, Cristiano Zanin, pediu para adiar o julgamento afirmando que, na noite desta segunda (3), impetrou outro habeas corpus para contestar decisão monocrática (individual) do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Félix Fischer que supostamente cerceou o direito de defesa. Zanin argumentou que os dois habeas corpus deveriam ser analisados conjuntamente, em momento posterior.

Leia também:
Turma do Supremo começa a julgar pedido de habeas corpus de Lula
Carta de Lula: 'Moro saiu do armário', diz ex-presidente
Cansei de levar bola nas costas, diz Moro sobre troca de Judiciário por Executivo
Defesa de Lula pede novo habeas corpus ao STF e alega que Moro age politicamente
Moro será ministro da Justiça no governo de Bolsonaro


O ministro Gilmar Mendes propôs que, com o adiamento, o julgamento fosse realizado no plenário do Supremo (composto pelos 11 ministros), e não na Segunda Turma (formada por cinco). O relator do habeas corpus, Edson Fachin, discordou do pedido de adiamento e da proposta de envio ao plenário. Iniciou-se, então, um debate entre os magistrados e o presidente da turma, Ricardo Lewandowski, decidiu abrir votação.

Lewandowski disse que é tradição da turma acolher pedidos de adiamento feitos por advogados, e destacou que consta da pauta do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) da próxima terça (11) um conjunto de procedimentos que, assim como o pedido de habeas corpus de Lula, alegam a suspeição de Moro.

"Eventualmente podemos influenciar ou desautorizar o julgamento do CNJ. Por esse motivo eu me inclinaria ou pelo adiamento, para que haja junção dos habeas corpus pendentes, e também para evitar que ora um habeas corpus seja julgado pela turma, ora pelo plenário, que se julguem todos logo no plenário para que não haja nenhuma dúvida quanto à posição do Supremo Tribunal Federal", disse Lewandowski.

Os ministros Fachin, Cármen Lúcia e Celso de Mello, contudo, votaram por prosseguir o julgamento nesta terça. Gilmar e Lewandowski foram vencidos. O principal ponto em discussão nesta tarde será a suposta parcialidade do ex-juiz Moro na condução da Lava Jato.

Veja também

Nas redes, Ernesto mina trabalho de novo chanceler e tenta manter influência ideológica no Itamaraty
Brasil

Nas redes, Ernesto mina trabalho de novo chanceler e tenta manter influência ideológica no Itamaraty

Doria aposta em estilo informal e quer romper 'pauta única' da vacina
Política

Doria aposta em estilo informal e quer romper 'pauta única' da vacina