Odebrecht

Delator da Odebrecht diz que Aécio Neves fraudou licitação

Em nota, Aécio Neves repudiou o teor do relato de Benedicto Júnior e defendeu o fim do sigilo sobre as delações

de favorecer  empreiteiras nas obras da Cidade?Administrativade favorecer empreiteiras nas obras da Cidade?Administrativa - Foto: Pedro França/Agência Senado

 

Ex-­presidente da Odebre­cht Infraestrutura, Benedicto Júnior afirmou, em sua delação premiada à La­va Jato, que se reuniu com o atual senador Aécio Ne­ves (PSDB­ MG) para tratar de um esquema de fraude em licitação na obra da Cidade Administrativa para favorecer grandes empreiteiras. A reunião, segundo o delator, ocorreu quando o tucano governava Minas Gerais.
Segundo a Folha de S. Paulo apurou, Benedicto Júnior, conhecido como BJ, disse aos procuradores que, após o acerto, Aécio orientou as construtoras a procurarem Oswaldo Borges, Oswaldinho, como é conhecido. Com ele, foi definido o percentual de propina que seria repassado pelas empresas no esquema. Ainda de acordo com o delator, esses valores ficaram entre 2,5% e 3% sobre ototal dos contratos.

Repúdio
Em nota, Aécio Neves repudiou o teor do relato de Benedicto Júnior e defendeu o fim do sigilo sobre as delações "para que todo conteúdo seja de conhecimento público".
Oswaldinho é um colaborador das campanhas do hoje senador mineiro. De acordo com informações obtidas pela reportagem, o ex­ecutivo da Odebrecht afirmou que o próprio Aécio decidiu quais empresas participariam da licitação para a obra.
Projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer (1907­2012), a Cidade Administrativa, sede do governo mineiro, custou R$ 2,1 bilhões em valores da época. Foi inaugurada em 2010, último ano de Aécio como governador, sendo a obra mais cara do tucano no governo de Minas.

 

Veja também

Pacheco e Queiroga discutem uso de fábricas de vacina animal para produzir imunizante contra Covid
Coronavírus

Pacheco e Queiroga discutem uso de fábricas de vacina animal para produzir imunizante contra Covid

Fux marca para terça-feira (13) julgamento sobre CPI da Covid-19
STF

Fux marca para terça-feira (13) julgamento sobre CPI da Covid-19