Delator diz ter pago R$ 24,5 milhões a Cid Gomes e aliado no Ceará

Empresa dava dinheiro para campanhas em troca da promessa de receber créditos de impostos referentes a curtume perto de Fortaleza

O irmão de Ciro Gomes negou que o seu discurso tenha sido um desabafoO irmão de Ciro Gomes negou que o seu discurso tenha sido um desabafo - Foto: Zeca Ribeiro/ Câmara dos Deputados

O presidente da JBS, Wesley Batista, disse que ter pago R$ 24,5 milhões em doações de campanha de reeleição de Cid Gomes (PDT), irmão de Ciro Gomes, e de eleição de Camilo Santana (PT) ao governo do Ceará. Segundo Wesley, a empresa entregava o dinheiro para as campanhas em troca da promessa de receber créditos de impostos referentes a um curtume na cidade de Cascavel, a 64 km de Fortaleza, retidos pelo Estado.

O primeiro contato foi feito em 2010, quando Cid Gomes enviou o secretário da Casa Civil, Arialdo Pinho, para pedir contribuição. A JBS pagou R$ 4,5 milhões -R$ 1 milhão em doação oficial e R$ 3,5 milhões com notas frias.

Apesar da vitória do governador, a empresa não recebeu os créditos de impostos e a dívida acumulou, chegando a R$ 110 milhões em 2014. Naquele ano, Cid Gomes visitou Wesley e seu irmão, Joesley, em São Paulo.

Na ocasião, afirma Wesley, o então governador pedia R$ 20 milhões para a campanha de Camilo Santana. Wesley rebateu reclamando da demora no Estado em liberar os créditos. Cid Gomes deixou a reunião sem acordo.

Semanas depois, os donos da JBS foram procurados por Arialdo Pinho e pelo deputado federal Antonio Balhmann (PDT-CE). Os dois disseram que a dívida do Estado só seria paga se eles doassem à campanha de Santana.

Novamente a empresa pagou. Dos R$ 20 milhões, R$ 10,2 foram entregues por meio de doação oficial e o resto, com notas fiscais frias entregues pelo secretário e o membro da Câmara dos Deputados.

Wesley Batista diz que o dinheiro foi dividido entre os comitês de Santana e do Pros, partido em que estavam os irmãos Gomes em 2014. O presidente da JBS afirma que o petista não tinha conhecimento da operação.

Veja também

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus
Congresso

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus

Maia diz que discussão sobre impeachment de Bolsonaro será inevitável 'no futuro'
Política

Maia diz que discussão sobre impeachment de Bolsonaro será inevitável 'no futuro'