Delegado que iniciou Lava Jato deixa investigação

Marcio Adriano Anselmo declarou, em carta aos superintendentes, "esgotamento físico e mental"

Márcio Adriano Anselmo esteve na Operação Lava Jato desde o início da investigaçãoMárcio Adriano Anselmo esteve na Operação Lava Jato desde o início da investigação - Foto: Divulgação

Um dos delegados que deu início à investigação da Lava Jato, Marcio Adriano Anselmo deixou a força-tarefa da operação nesta semana. Ele irá assumir a corregedoria da Polícia Federal no Espírito Santo, a convite, onde está numa missão desde a semana passada.
Numa carta enviada aos superintendentes, Anselmo menciona "esgotamento físico e mental", e diz que já havia pedido afastamento da Lava Jato em meados do ano passado.
"Tal pedido se dá por questões de natureza pessoal, sem qualquer interferência da administração", declara Anselmo, que diz querer se dedicar a "novos desafios".

Para ele, a Lava Jato tem condições de prosseguir as investigações sem qualquer prejuízo com a sua saída. "Sempre atuei nos casos que presidi com absoluta independência", afirma Anselmo. "Reitero, mais uma vez, [que são] absolutamente infundadas algumas manifestações na imprensa no sentido de interferências na investigação."

O delegado é doutor em Direito Internacional pela USP e referência na investigação de lavagem de dinheiro e cooperação internacional. Na Lava Jato, foi quem deu início aos primeiros inquéritos, contra a rede de doleiros como Alberto Youssef, e conduziu as investigações contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em entrevista à Folha de S.Paulo no ano passado, Anselmo defendeu as provas colhidas na operação e considerou a publicidade das denúncias e das coletivas como uma atitude de transparência.

Veja também

Covid-19: Em reunião com ministro da Saúde, Patriota pede coordenação e planejamento
Pandemia

Covid-19: Em reunião com ministro da Saúde, Patriota pede coordenação e planejamento

Nova presidente da Capes admite cópia, mas nega plágio em dissertação
CAPES

Nova presidente da Capes admite cópia, mas nega plágio em dissertação