Deltan diz ser 'acusado ao mesmo tempo de ser de direita e de esquerda'

O comentário, publicado em redes sociais, foi feita logo após atos em ao menos 19 estados e no Distrito Federal que defenderam a indicação dele à Procuradoria-Geral da República

Deltan DallagnolDeltan Dallagnol - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato em Curitiba, afirmou na noite desse domingo (26) que é "acusado ao mesmo tempo de ser de direita e de esquerda" e que isso só mostra a identificação do seu trabalho com "a causa anticorrupção, que é suprapartidária".

O comentário, publicado em redes sociais, foi feita logo após atos em ao menos 19 estados e no Distrito Federal que defenderam a indicação dele à Procuradoria-Geral da República e apoiaram o ministro Sergio Moro (Justiça) e o presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Leia também:
Combate à corrupção no país está sob ataque dos três Poderes, diz Deltan
Ato contra projeto reúne Deltan, juiz da Lava Jato e 'mulheres com Bolsonaro'
Após reportagem sobre acesso a dados da Receita, Deltan diz que seguiu a lei


Deltan tem sido destaque no noticiário após a divulgação de mensagens que ele trocou pelo aplicativo Telegram sobre a operação que coordena, obtidas pelo site The Intercept Brasil e analisadas pela Folha e por outros veículos. As mensagens levaram partidos de esquerda e centro-esquerda, como PT, PC do B, PSOL e PSB, a pedirem o afastamento do procurador.

No último mês, Bolsonaro também atacou o procurador, ao compartilhar uma publicação nas redes sociais que o chamava de "esquerdista estilo PSOL" em resposta a um usuário que pediu a indicação de Deltan para a PGR. A resposta também publica reproduções em que Deltan compartilha críticas à ditadura militar e cita casos de investigação contra o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente, e sobre o esquema, revelado pela Folha, de candidatos laranjas do PSL envolvendo o ministro do Turismo, Marco Álvaro Antonio.

No post deste domingo, Deltan disse que "nosso trabalho [força-tarefa da Lava Jato] foi feito com a isenção que era necessária e não tem -nem nunca teve- viés político-partidário", afirmou. Na última semana, Deltan afirmou que o combate à corrupção no país está sob ataque por parte dos três Poderes da República. Em entrevista à Gazeta do Povo no último dia 20, ele disse que a Lava Jato e todos os mecanismos anticorrupção do Brasil estão ameaçados por ações do Congresso, do STF e do governo Bolsonaro.

"A gente vê um movimento amplo [de enfraquecimento do combate à corrupção]. Não é um movimento restrito, não é uma pessoa ou duas. A gente vê um movimento que engloba o Legislativo, o Executivo e o Judiciário", disse Deltan. O procurador acredita que o vazamento de mensagens da força-tarefa faz parte desta estratégia de enfraquecimento e que cabe à sociedade civil se manifestar "para que as mudanças positivas aconteçam e não os retrocessos".

MENSAGENS E A LAVA JATO
Em 9 de junho, o site The Intercept Brasil começou a publicar mensagens privadas e de grupos da força-tarefa da Operação Lava Jato no aplicativo Telegram a partir de 2015. O site informou que obteve o material de uma fonte anônima, que pediu sigilo. As mensagens obtidas pelo Intercept e divulgadas até este momento revelam que Moro, então juiz federal, indicou ao procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, uma testemunha que poderia colaborar para a apuração sobre o ex-presidente Lula.

O ex-juiz, segundo as mensagens, também orientou Deltan a incluir prova contra réu da Lava Jato em denúncia que já havia sido oferecida pelo Ministério Público Federal, sugeriu ao procurador alterar a ordem de fases da operação e antecipou ao menos uma decisão judicial.

Em julho de 2017, o então corregedor-geral do Ministério Público Federal, Hindemburgo Chateaubriand Filho, criticou informalmente a conduta do procurador da República Deltan Dallagnol na divulgação de palestra, ressaltou a gravidade da situação, mas deixou de abrir apuração oficial, apontam diálogos no aplicativo Telegram obtidos pelo The Intercept Brasil e analisados em conjunto com a Folha de S.Paulo. O caso envolveu a divulgação feita por Deltan de uma palestra dele na qual prometia revelações inéditas sobre a Lava Jato e que teria cobrança de ingresso dos participantes.
Hindemburgo expôs a reprovação ao procurador, que fez alteração no teor da publicidade da palestra.

Em seguida, ele comentou que sua intervenção no episódio resultava do apreço que tinha por Deltan e saía da linha de atuação regular de um corregedor-geral, o fiscal máximo da atividade dos procuradores. "Só quero lhe dizer q liguei em consideração a vc é ao Januário [procurador Januário Paludo]. Como Corregedor, na verdade, não me competia fazer o q fiz", afirmou.

Veja também

Tribunal do PR arquiva investigação contra juíza que citou raça em sentença
JUSTIÇA

Tribunal do PR arquiva investigação contra juíza que citou raça em sentença

Danilo Cabral critica retirada de recursos do Fundeb para o Renda Cidadã
Eleições 2020

Danilo Cabral critica retirada de recursos do Fundeb para o Renda Cidadã