Deltan rejeita interesse em promoção que o afastaria do comando da Lava Jato

Ele poderia disputar, caso não recusasse, uma das dez vagas em aberto nas Procuradorias Regionais da República

Deltan DallagnolDeltan Dallagnol - Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, encaminhou nesta segunda-feira (21) ofício ao Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) afirmando não ter interesse em concorrer à promoção dentro da instituição no momento.

Ele poderia disputar, caso não recusasse, uma das dez vagas em aberto nas Procuradorias Regionais da República -nove em Brasília (DF) e uma em Porto Alegre (RS). Com o desinteresse, Deltan deve permanecer no posto atual, na capital paranaense.

Em nota, o Ministério Público Federal (MPF) do Paraná informou que Deltan tomou a decisão após conversar com os demais procuradores da força-tarefa e por conta de "aspectos pessoais e profissionais".

Leia também:
Deltan vê 'revanchismo' contra Lava Jato e critica recentes decisões do STF
Conselho nega afastamento de Deltan até julgamento de processo disciplinar
Deltan diz ser 'acusado ao mesmo tempo de ser de direita e de esquerda' 

O CSMP estipula regras de promoção dos seus membros por critérios de merecimento e antiguidade. Os nomes para ocupar as vagas devem ser decididos no próximo dia 5 de novembro. Os membros tinham até esta segunda para apresentar recusa aos postos.

Deltan coordena o grupo da Lava Jato em Curitiba há cinco anos. A promoção -e consequente saída da Lava Jato- poderia ser um escape para o procurador, cada vez mais pressionado na função, desde o vazamento de mensagens do aplicativo Telegram obtidas pelo site The Intercept, que geraram reportagens em parceria com outros veículos.

Veja também

TSE: extratos bancários de partidos serão publicados na internet
eleições

TSE: extratos bancários de partidos serão publicados na internet

Moraes é sorteado relator de inquérito que investiga acusações de Moro contra Bolsonaro
justiça

Moraes é relator de inquérito de Moro contra Bolsonaro