Depoimento de Lula teve 'diversas contradições', dizem procuradores

O ex-presidente depôs nesta quarta (10) em ação que o acusa de ter recebido vantagens indevidas da empreiteira OAS

Ex-presidente LulaEx-presidente Lula - Foto: Divulgação

O interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Justiça Federal em Curitiba apresentou "diversas contradições", segundo a força-tarefa do Ministério Público Federal responsável pela Lava Jato.

Em nota divulgada nesta quinta (11), os procuradores afirmam que, entre essas contradições, estão "a imputação de atos à sua falecida esposa, a confissão de sua relação com pessoas condenadas pela corrupção na Petrobras e a ausência de explicação sobre documentos encontrados em sua residência".

O ex-presidente depôs nesta quarta (10) em ação que o acusa de ter recebido vantagens indevidas da empreiteira OAS, entre elas um tríplex em Guarujá (SP), em troca de contratos com a Petrobras.

Lula foi ouvido durante cinco horas pelo juiz Sergio Moro e pelos procuradores. O Ministério Público Federal diz que se "manifestará oportunamente, no processo, especialmente nas alegações finais" a respeito do que consideraram contradições.
As alegações finais são a última parte da ação antes que o magistrado dê a sentença. Nessa ação, todas as testemunhas e réus já prestaram depoimento.

Os advogados de Lula afirmam que ele é inocente e conseguiu provar isso no depoimento. O ex-presidente afirmou a Moro que não era dono do tríplex e não tinha pretensão de compra-lo, mas que sua mulher, Marisa Letícia, "ainda tinha dúvida se ia ficar para fazer negócio, ou não". Marisa também respondia ao processo e suas acusações foram arquivadas quando ela morreu.

Segundo Zanin Martins, Marisa "jamais cometeu qualquer ilegalidade" e "todos os atos de Marisa foram absolutamente legais e nunca poderiam justificar nem a denúncia nem a ação penal contra ela". "São fatos de pleno conhecimento dos procuradores, pois constam dos autos do processo desde o início. No depoimento desta quarta, Lula simplesmente reafirmou a verdade", disse.

"O que causa, sim, espanto é que até hoje o juiz se recusa a inocentar sumariamente d. Marisa Letícia, como determina expressamente a lei em caso de falecimento", acrescentou o advogado.

Ele também disse que pediu ao ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, que conseguisse uma reunião com Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras, para perguntar se ele tinha conta no exterior. Segundo Lula, Duque negou.
Tanto o ex-diretor quanto Vaccari foram presos em fases da Operação Lava Jato desde 2015.

A defesa de Lula divulgou nota nesta quinta afirmando que tentam acesso a documentos da Petrobras relacionados ao caso e que a companhia negou à defesa o acesso a atas da direção executiva.

ODEBRECHT

O Ministério Público Federal protocolou um pedido, nesta quinta, para ouvir na ação penal contra Lula um delator da Odebrecht e duas testemunhas ligadas à OAS.
Márcio Faria, ex-executivo da Odebrecht, firmou acordo de delação no fim do ano passado e foi mencionado em um depoimento de um ex-diretor da OAS como "representante" da construtora concorrente em negociações de pagamento de propina a agentes públicos e políticos.

Na época em que a ação penal contra Lula foi iniciada, a delação da Odebrecht ainda estava sob negociação e os procuradores não tinham acesso ao teor dos relatos desses ex-executivos. Com a divulgação dos depoimentos, em abril, foram reveladas acusações de benefícios ao ex-presidente.

O Ministério Público Federal também pede para ouvir Joilson Goes, um funcionário da OAS, e Jéssica Malzone, ex-funcionária da empreiteira. Goes foi citado em troca de mensagens sobre a criação de um "centro de custos" para as despesas da construtora com o tríplex atribuído ao ex-presidente.

Veja também

Ex-assessora de Baleia Rossi é investigada por suspeita de caixa dois no interior de SP
DIRETÓRIO ESTADUAL

Ex-assessora de Baleia Rossi é investigada por suspeita de caixa dois no interior de SP

Arthur Lira se consolida pelo comando da Câmara dos Deputados
EDMAR LYRA

Arthur Lira se consolida pelo comando da Câmara dos Deputados