Depoimento detalha esquema

Por meio de denúncia do servidor José Coelho Pereira Neto, ex-secretário geral da Câmara, o procurador tomou conhecimento de um esque­ma de uso indevido da folha de pagamento por vereadores.

X-MEN: FÊNIX NEGRAX-MEN: FÊNIX NEGRA - Foto: Reprodução/Adoro Cinema

 

Em depoimento obtido com exclusividade pela Folha de Pernambuco, que integra inquérito para apurar o esquema criminoso instalado na Câmara de Vereadores de Jaboatão dos Guararapes, o ex-procurador-geral da Câmara de Vereadores de Jaboatão dos Guararapes, Paulo Thiago Bezerra Ribeiro Varejão, detalhou a pressão que sofreu dos integrantes da suposta associação criminosa, por não concordar com as manobras ilícitas que dominaram o Legislativo municipal.

O relato detalha o esquema que serviria para suprir as dificuldades de financiamento de campanha imposto pela legislação eleitoral, para o pleito deste ano, e chegava a render R$ 70 mil por mês para cada vereador.

Por meio de denúncia do servidor José Coelho Pereira Neto, ex-secretário geral da Câmara, o procurador tomou conhecimento de um esque­ma de uso indevido da folha de pagamento por vereadores.

As irregularidades seriam praticadas pelos mem­bros da mesa diretora da Casa e envolvia inicialmente apenas os vereadores Vado Jogador, Eurico Moura, Tonzinho Basílio, Sargento Sampaio, Samoel da Sorveteria e Charles Motorista. Com a evolução das investigações, contudo, surgiram novos nomes e a Operação Caixa de Pandora atingiu mais de 19 legisladores.

As irregularidades envolviam o desvio de pagamentos na folha de servidores da Casa. Os comissionados teriam que repassar a maior parte do seu salário, o auxílio alimentação, adicional de férias e outros vencimentos para os vereadores que integravam o esquema.

Os servidores recebiam apenas um valor simbólico depositado em conta e mal apareciam para dar expediente. Em uma conversa, o vereador Sargento Sampaio teria declarado ao procurador que o esquema conseguiria obter cerca de R$ 70 mil por mês. Até mesmo o valor do auxílio alimentação chegou a ser elevado de R$ 700 para R$ 1.500,00 somente para ampliar as vantagens dos legisladores.

O esquema somente começou a ser ameaçado quando o Tribunal de Contas do Estado (TCE) enviou ofício solicitando documentos sobre o pagamento dos servidores. A partir de então, começaram as pressões para camuflar as irregularidades.

O procurador e outros servidores começaram a ser pressionados para falsificar documentos com o intuito de esconder o esquema. Por não ceder às ameaças, Paulo Thiago Bezerra foi exonerado do cargo no dia 1° de junho deste ano. Oito dias após a exoneração, ele prestou depoimento denunciando as irregularidades e o inquérito da Polícia Civil teve prosseguimento.

 

Veja também

Justiça derruba decreto de Bolsonaro sobre gestão de florestas
Meio Ambiente

Justiça derruba decreto de Bolsonaro sobre gestão de florestas

Governo oferece reforma tributária contra derrubada de veto a desoneração
Reforma Tributária

Governo oferece reforma tributária contra derrubada de veto a desoneração