Depois de jantar com Wagner, Paulo recebe ligação de Haddad

Ex-prefeito de São Paulo telefonou ontem para o socialista após visitar Lula

Fernando-Haddad-e-Paulo-CâmaraFernando-Haddad-e-Paulo-Câmara - Foto: Divulgação

A definição do PT sobre candidatura própria em Pernambuco ficou para o dia 10 de junho. Se falta algum tempo para os petistas se posicionarem em definitivo, sobram sinalizações de que o partido e o PSB avançam no sentido de uma aliança. Ontem, foi o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, quem telefonou para o governador Paulo Câmara. Haddad deve desembarcar em Pernambuco até o final da próxima semana. Chegará ao Estado na esteira da visita do ex-governador Jaques Wagner, que, como a coluna publicou com exclusividade ontem, jantou no Palácio das Princesas na última quinta-feira. Jaques Wagner veio ao Estado especificamente para esse encontro com Câmara. Ontem, quando deu-se a reunião dos governadores do Nordeste, o ex-governador da Bahia já havia deixado o Recife. Segundo o governador Rui Costa (BA), Jaques Wagner "trouxe os informes da visita dele ao presidente Lula". Rui sublinhou que o ex-governador da Bahia esteve na semana passada com o ex-presidente e que, durante o jantar oferecido por Paulo Câmara, Wagner "ajudou na reflexão do quadro conjuntural". Segundo fontes petistas observam, nas coxias, o aval já foi dado por Lula para que o PT e o PSB caminhem juntos em Pernambuco, o que deve acarretar uma composição em Minas Gerais, cujo governador, Fernando Pimentel, esteve também no jantar com Jaques Wagner. Na última quinta-feira, Haddad também esteve com Lula e a situação específica de Pernambuco foi à pauta. Não à toa, o ex-prefeito de São Paulo saiu da visita ao líder-mor do PT enaltecendo as "boas ideias" de Paulo Câmara. Na esteira, telefonou, ontem, para o governador de Pernambuco. A data da visita ao Recife ainda está para ser fechada em função das agendas de ambos. Segundo petistas, "não foi de graça" que Haddad deixou o encontro com Lula falando no nome de Câmara. Os integrantes do PT criam o cenário, o governador de Pernambuco já fez os gestos e o PT, agora, conta com prazo. Mas, segundo os envolvidos, não falta nada, só anunciar a aliança.

Com prazo, sem pressa
A decisão do PSB sobre candidatura presidencial não deve sair antes de junho, segundo socialistas. Em outras palavras, caso o partido vá optar por apoiar Ciro Gomes, isso não deve interferir nas decisões regionais. Em Pernambuco, o PT cravou 10 de junho para decisão.

Desjejum > Antes do Encontro de Governadores do Nordeste, o senador Humberto Costa tomou café da manhã com os governadores Fernando Pimentel, Renan Filho, Wellington Dias e Rui Costa no Hotel Atlante Plaza.

Presente > Humberto, cujo nome é cotado para estar na chapa de Paulo Câmara, também foi ao Campo das Princesas.

Não acho > Governador da Paraíba, Ricardo Coutinho não considera que uma decisão do PSB de votar em Ciro Gomes seria impeditivo para composições regionais com o PT.

Altruísmo > Coutinho alerta que "o PT como nenhum outro partido pode ser exclusivista nesse momento". E detalha: "Nenhum partido, incluindo o PT, pode considerar que só tem eleição se for com candidato próprio". E arremata: "Não penso dessa forma. Isso é ruim para consolidação disso que chamo de campo democrático, não falo nem campo de esquerda".

Utópico > O senador Humberto Costa diz que "esperar que o PT abra mão de ter uma candidatura não é uma avaliação realista".

Com Ciro > Os governadores do Ceará, Camilo Santana, e do Piauí, Wellington Dias, estão entre os que defendem Ciro Gomes como alternativa para a unidade da centro-esquerda.

Veja também

Bolsonaro comete dois erros em afirmações sobre novo toque de recolher na Argentina
Deslize

Bolsonaro comete dois erros em afirmações sobre novo toque de recolher na Argentina

Câmara aprova projeto que eleva pena para maus-tratos de crianças e idosos
Violência

Câmara aprova projeto que eleva pena para maus-tratos de crianças e idosos