CRIME

Deputada é a sétima parlamentar a denunciar ameaças de "estupro corretivo" em nove dias

Lohanna França (PV-MG) prestou queixa nesta quinta-feira após receber mensagem com teor violento via e-mail corporativo

Lohanna França (PV-MG)Lohanna França (PV-MG) - Foto: site oficial

A deputada estadual Lohanna França (PV-MG) é a sétima parlamentar a denunciar ameaças de morte e estupro corretivo em e-mail institucional. A mineira prestou queixa nesta quinta-feira à Polícia Civil após receber mensagem com teor violento.

Em oito dias, seis parlamentares de quatro estados denunciam ameaças de 'estupro corretivo' como 'cura lésbica'

No e-mail, o autor citou um projeto aprovado pela deputada recentemente na Assembleia Legislativa de Minas (ALMG). De acordo com ele, a proposta que instituiu a "Semana da Maternidade Atípica" promove "irresponsabilidade feminina", motivo pelo qual a parlamentar teria "sangue de crianças inocentes" em suas mãos.

A mensagem descreve a violência sexual: "Vou chegar de fininho em sua residência e entrar escondido, você nem saberá que eu estou lá até pular em seu pescoço e te colocar em algemas".

Além disso, alega saber dados pessoais de Lohanna, como o endereço de sua residência, e ameaça dar um tiro em sua cabeça para "estragar o velório". O autor também afirma que ele será "a última coisa" que a deputada verá na vida.

Ao Globo, a deputada afirmou que o episódio de violência de gênero não a intimidará:

— A gente sabe que é uma tentativa de calar as nossas vozes, porque o nosso trabalho está aqui para colocar as mulheres no espaço de poder. Qualquer tentativa de me intimidar, será um desperdício de tempo e energia. Qualquer tentativa desse tipo, irá para lata do lixo ou quem sabe, para um camburão da Polícia, não vão me intimidar. Não vão parar meu trabalho — disse.

Antes de Lohanna
Como noticiou o Globo, nos últimos nove dias, outras seis parlamentares denunciaram ameaças similares. Os e-mails de teor violento foram destinados a deputada federal Daiana Santos (PCdoB-RS), para as estaduais Rosa Amorim (PT-PE) e Bella Gonçalves (PSOL-MG) e para as vereadoras do PSOL Iza Lourença (MG), Mônica Benício (RJ) e Cida Falabella (MG). A Polícia Civil também investiga os casos.

O primeiro e-mail foi enviado a Bella Gonçalves no dia 8. Nesta primeira mensagem, o autor teria pedido para que ela renunciasse seu mandato e teria escrito: "Seremos breves: você é lésbica e por isso sua presença não será mais tolerada".

Na ocasião, a parlamentar havia optado por não divulgar as ameaças. A realidade mudou, no entanto, quando, junto a Iza Lourença e Cida Gonçalves, recebeu a segunda ameaça que citava o "estupro corretivo" como uma "terapia cognitiva para curar a lesbianidade". O autor afirmava que iria até as residências das psolistas para testar a "prática".

Nesta mesma noite, a deputada federal Daiana Santos também recebeu mensagem parecida, mas que tomou conhecimento apenas nesta semana, quando prestou queixa à Polícia.

No dia seguinte, 15, a deputada estadual pernambucana Rosa Amorim recebeu e-mail similar. Na mensagem, o autor afirmava que sabia o seu endereço.

Já para Monica Benício, o autor se disse "doutor em Psicologia pela Universidade de Harvard" e afirmou: "Isso não é violência, é o que chamamos Estupro Corretivo Terapêutico, uma terapia de eficácia comprovada que cura o homossexualismo (sic) feminino porque ser sapatão é ser uma aberração".

Veja também

G20: Protecionismo verde é tema polêmico e de difícil consenso
G20

G20: Protecionismo verde é tema polêmico e de difícil consenso

Telhado caído, móveis destruídos: governo libera R$ 22 milhões para as universidades do RS
Universidades do RS

Telhado caído, móveis destruídos: governo libera R$ 22 milhões para as universidades do RS

Newsletter