A-A+

Deputado da base que votar contra Temer estará fora do governo, diz vice-líder

"O deputado tem que decidir se é governo ou não é governo", disse deputado Darcísio Perondi

Darcísio Perondi, deputado do PMDB-RSDarcísio Perondi, deputado do PMDB-RS - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Faltando poucos dias para a votação do parecer pelo arquivamento da denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados, os aliados do governo intensificam as articulações para conseguir o maior número de votos pelo arquivamento da denúncia. Nesta quarta-feira (26), o vice-líder do governo, deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), disse que o deputado da base governista que votar contra o presidente Temer estará fora da base.

Leia também
Parlamentares admitem dificuldade para aprovar regras eleitorais para 2018
Janot defende manter Cunha preso e diz que ele pode influenciar 'asseclas'


“Quem não votar a favor do presidente Temer estará fora da base do governo. O deputado tem que decidir se é governo ou não é governo. [Se] Acredita no novo Brasil ou não acredita”, disse Perondi ao afirmar que não espaço para dúvidas. “Estamos numa guerra ideológica e numa guerra de política econômica. Uma fracassada e outra que está recuperando o país, e quem está vacilando tem que decidir logo de que lado vai ficar”, alertou Perondi.

De acordo com o Perondi, os parlamentares que votarem contra o presidente Temer estarão se posicionando contra as propostas “reformistas” do governo e “contra o Brasil”. O peemedebista disse que os deputados da base que votarem contra a orientação dos seus partidos devem sair das legendas ou então “devem ser saídos”. Ele quer fidelidade dos deputados às orientações partidárias.

Em tom de ameaça, o vice-líder disse que aliados que votarem contra Temer perderão cargos. "Tem um deputado de um estado aí que indicou todos os técnicos do Dnit [Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes] e está dizendo que vai votar contra [o presidente]. Se ele mantiver a posição, no outro dia perderá todos os cargos, igualmente a outros deputados em situação semelhante", sentenciou Perondi.

A apreciação da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer está prevista para o próximo dia 2, no plenário da Câmara dos Deputados. Na ocasião, será colocado em votação o parecer do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) contrário à autorização para que o Supremo Tribunal Federal (STF) investigue o presidente Temer. O parecer foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça por 41 votos a 24.

Para que a Câmara autorize o STF a investigar o presidente da República, são necessários dois terços dos votos dos 513 deputados, ou seja, no mínimo 342 votos. Caberá aos partidos de oposição e aos deputados que querem aprovar a autorização para a investigação conseguirem, no mínimo, os 342 votos para rejeitar o parecer de Abi-Ackel, e autorizar a investigação. Do contrário, o presidente não será investigado pelo STF.

Veja também

Morre aos 67 anos Carlos Neder, ex-deputado e fundador do PT
Luto

Morre aos 67 anos Carlos Neder, ex-deputado e fundador do PT

Encontro com Alckmin, França, Kassab e Skaf tem gritos de 'tchau, Doria' e críticas ao governador
São Paulo

Encontro com Alckmin, França, Kassab e Skaf tem gritos de 'tchau, Doria' e críticas ao governador