Deputados trocam farpas ao debater a "PEC do teto dos gastos"

“O governo Dilma aprofundou toda essa crise que estamos vivendo. O modelo atual é o do discurso fácil" afirmou Danilo Forte

Prefeito recebeu o parlamentar para tratar de emendasPrefeito recebeu o parlamentar para tratar de emendas - Foto: Divulgação

 

Nos discursos em plenário, os deputados aliados de Temer pregaram a necessidade da medida, sob o argumento de que ela é imprescindível para o equilíbrio das contas públicas. Além disso, fizeram questão de associar a crise atual ao governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Já a oposição (PT, PDT, PC do B, PSOL e Rede) bateu na tecla de que o novo regime fiscal irá cortar investimentos, principalmente nas áreas de educação e saúde. Para os contrários ao projeto, a PEC não atinge o pagamento com juros da dívida pública.
“O governo Dilma aprofundou toda essa crise que estamos vivendo. O modelo atual é o do discurso fácil. O País precisa de medidas enérgicas”, afirmou Danilo Forte (PSB-CE), que presidiu a comissão especial da proposta. Também favorável, o líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi (PMDB-SP), apelidou a proposta de “PEC da responsabilidade” em contraponto à oposição, que chama a medida de “PEC da morte”.

Marcos Pestana (PSDB-MG), aliado do senador Aécio Neves, disse que a não aprovação da proposta levaria ao “caos”. Representando a oposição, Henrique Fontana (PT-RS) acusou a situação de apressar a votação para evitar debate. Os parlamentares alinhados com o governo derrubaram seu próprio pedido de retirada de pauta, como estratégia para prejudicar requerimentos da oposição. “Se essa emenda fosse de fato a solução do Brasil, imagino que gostariam de debater dois dias aqui. Essa emenda aprofunda a recessão e o desemprego”, disse.
Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) foi mais enfático. “Caras de pau, caras de pau! Devem, não sabem que devem e querem ainda tomar mais do trabalhador”, discursou. “E o pior de tudo, com a complacência e a conivência de grande parte deste plenário, que no domingo esteve num lauto jantar no Palácio da Alvorada. E querem o quê? Querem pegar aquela faca e traduzir em punhais para apunhalar os trabalhadores. (...) É tudo mentira! É tudo falácia! É tudo safadeza!”, bradou.

 

Veja também

TCU veta que governo anuncie em site que promove ilegalidade
Política

TCU veta que governo anuncie em site que promove ilegalidade

STF pressiona contra redução salarial e corte de penduricalhos
Política

STF pressiona contra redução salarial e corte de penduricalhos