Deputados voltam a se agredir e adiam votação da reforma da Previdência de SP

Em um dos vídeos, o deputado estadual Teonilio Barba (PT) parte em direção a Arthur do Val (Patriotas), o 'Mamãe Falei'

Arthur do Val Arthur do Val  - Foto: Agência Câmara/Divulgação

A reforma da Previdência do estado de São Paulo voltou a ser motivo para agressões físicas e confusão generalizada entre os deputados estaduais na noite desta quarta-feira (19), quando a Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) votaria o texto em segundo turno.

Em um dos vídeos, o deputado estadual Teonilio Barba (PT) parte em direção a Arthur do Val (Patriotas), o "Mamãe Falei". Em um segundo vídeo, a deputada Márcia Lia (PT) tenta tirar o celular do deputado Douglas Garcia (PSL), enquanto ele grava a agressão; o parlamentar a chama de "louca", "doida" e "corrupta".

Leia também:
'Mamãe Falei' volta a chamar servidores de vagabundos na Alesp
Doria censura lista de livros de projeto em presídios de São Paulo

À reportagem, Arthur do Val afirmou que ele estava fora da sessão, quando começou uma discussão acalorada. Ao voltar, quis saber do se tratava. "Entrei e fui perguntar o que estava acontecendo, porque tinha um aglomerado de gente. Não falei nada, não xinguei ninguém. Só falei: 'por que o pessoal tá nervoso'? O Barba nem falou nada, só me olhou e me bateu."

No dia anterior, durante a votação do texto-base da PEC, Arthur do Val, protagonista do bate-boca mais famoso da tramitação da Previdência de São Paulo, voltou a ofender servidores. "Boa noite pessoal. Todo mundo de costas, o Liminha mandou. Vamos lá, segundo turno todo mundo dando as costas. Bem obediente como o titio sindicalista gosta", disse o deputado aos servidores nas galerias da Alesp na ocasião.

Veja também

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus
Congresso

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus

Maia diz que discussão sobre impeachment de Bolsonaro será inevitável 'no futuro'
Política

Maia diz que discussão sobre impeachment de Bolsonaro será inevitável 'no futuro'