Deputados voltam a se agredir e adiam votação da reforma da Previdência de SP

Em um dos vídeos, o deputado estadual Teonilio Barba (PT) parte em direção a Arthur do Val (Patriotas), o 'Mamãe Falei'

Arthur do Val Arthur do Val  - Foto: Agência Câmara/Divulgação

A reforma da Previdência do estado de São Paulo voltou a ser motivo para agressões físicas e confusão generalizada entre os deputados estaduais na noite desta quarta-feira (19), quando a Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) votaria o texto em segundo turno.

Em um dos vídeos, o deputado estadual Teonilio Barba (PT) parte em direção a Arthur do Val (Patriotas), o "Mamãe Falei". Em um segundo vídeo, a deputada Márcia Lia (PT) tenta tirar o celular do deputado Douglas Garcia (PSL), enquanto ele grava a agressão; o parlamentar a chama de "louca", "doida" e "corrupta".

Leia também:
'Mamãe Falei' volta a chamar servidores de vagabundos na Alesp
Doria censura lista de livros de projeto em presídios de São Paulo

À reportagem, Arthur do Val afirmou que ele estava fora da sessão, quando começou uma discussão acalorada. Ao voltar, quis saber do se tratava. "Entrei e fui perguntar o que estava acontecendo, porque tinha um aglomerado de gente. Não falei nada, não xinguei ninguém. Só falei: 'por que o pessoal tá nervoso'? O Barba nem falou nada, só me olhou e me bateu."

No dia anterior, durante a votação do texto-base da PEC, Arthur do Val, protagonista do bate-boca mais famoso da tramitação da Previdência de São Paulo, voltou a ofender servidores. "Boa noite pessoal. Todo mundo de costas, o Liminha mandou. Vamos lá, segundo turno todo mundo dando as costas. Bem obediente como o titio sindicalista gosta", disse o deputado aos servidores nas galerias da Alesp na ocasião.

Veja também

Relatório preliminar do Orçamento de 2022 é aprovado e prevê bilhões para emendasComissão da Câmara

Relatório preliminar do Orçamento de 2022 é aprovado e prevê bilhões para emendas

Bolsonaro diz que, se reeleito, indicará mais dois evangélicos para o STFEleições 2022

Bolsonaro diz que, se reeleito, indicará mais dois evangélicos para o STF