política

Desembargador mantém censura à TV Globo em caso Flávio Bolsonaro

Emissora está proibida de divulgar informações sob sigilo de investigação sobre suposta 'rachadinha' do senador filho do presidente

Flávio BolsonaroFlávio Bolsonaro - Foto: Jane de Araújo / Agência Senado

O desembargador Fábio Dutra negou nesta terça-feira (15) recurso da TV Globo e manteve a censura imposta à emissora para divulgar informações sobre as investigações contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) conduzidas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro.

A proibição foi imposta no último dia 4 pela juíza Cristina Feijo, da 33ª Vara Cível, a pedido dos advogados do senador. A magistrada entendeu que as informações divulgadas correm em procedimento sob sigilo, motivo pelo qual avaliou ser correta a imposição de censura.

A TV Globo afirmou, em nota, que considera "a decisão judicial um cerceamento à liberdade de informar, uma vez que a investigação é de interesse de toda a sociedade". A emissora declarou que ainda avalia as providências legais cabíveis.

A liminar da magistrada determina que a emissora "se abstenha de divulgar informações, exibir documentos, expor andamentos do processo investigativo criminal" do caso.

"No caso, busca-se resguardar o interesse público de que a investigação seja feita de forma escorreita, célere e imparcial para que ao final se possa conhecer a realidade dos fatos e aplicar as sanções cabíveis aos autores das práticas ilícitas. Neste momento, impõe-se a adoção de postura de cautela máxima, vale dizer, na tentativa de, ao menos minimizar os efeitos lesivos que divulgações não autorizadas podem trazer", escreveu Feijó.

A magistrada também expôs preocupações com os efeitos na imagem de Flávio Bolsonaro antes da conclusão da investigação.

"Embora admirável a atuação do jornalismo investigativo na reconstrução e apuração dos fatos, ela esbarra nos limites da ofensa a direito personalíssimo. Some-se a isto que o requerente ocupa relevante cargo político e as constantes reportagens, sem qualquer dúvida, podem ter o poder de afetar sua imagem de homem público e, por via transversa, comprometer sua atuação em prol do Estado que o elegeu senador", afirmou a juíza.

A decisão foi criticada por entidades de imprensa. Em nota, a ANJ (Associação Nacional de Jornais) afirmou que "qualquer tipo de censura é terminantemente vedada pela Constituição e, além de atentar contra a liberdade de imprensa, cerceia o direito da sociedade de ser livremente informada".

"Isso é ainda mais grave quando se tratam de informações de evidente interesse público", disse a associação.

Marcelo Träsel, presidente da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), considera "qualquer tipo de censura prévia inaceitável numa democracia, sobretudo quando o alvo da cobertura jornalística é uma pessoa pública cujo mandato foi outorgado pelo voto, o que lhe traz a obrigação de prestar contas à sociedade".

"Quem perde são os eleitores do Rio de Janeiro e todos os cidadãos, que terão dificuldades para acompanhar o andamento das investigações contra o filho do presidente da República e avaliar se as autoridades estão cumprindo seus deveres", afirma Träsel.

Em publicação em rede social, o senador comemorou a decisão do dia 4 e deu parabéns a sua defesa.

"Acabo de ganhar liminar impedindo a #globolixo de publicar qualquer documento do meu procedimento sigiloso. Não tenho nada a esconder e expliquei tudo nos autos, mas as narrativas que parte da imprensa inventa para desgastar minha imagem e a do Presidente @jairmessiasbolsonaro são criminosas."

A decisão de Feijó ainda será analisada pela 1ª Câmara Cível.

Flávio é investigado sob suspeita de comandar um esquema de "rachadinha" em seu antigo gabinete na Assembleia Legislativa. A prática consiste em repasses de parte dos salários dos servidores públicos ou prestadores de serviços da administração para políticos ou assessores dos gabinetes.

O senador é suspeito dos crimes de liderar uma organização criminosa para a prática de peculato, lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio.

As investigações foram encerradas no início deste mês. O oferecimento de uma denúncia está a cargo do procurador-geral de Justiça, Eduardo Gussem, desde quando o senador obteve o direito a ter foro especial no Órgão Especial do Tribunal de Justiça.

O Ministério Público do Rio recorreu ao STF (Supremo Tribunal Federal) da decisão do Tribunal de Justiça que deu foro a Flávio. A tendência, conforme publicou o jornal Folha de S.Paulo, é que os ministros mantenham a decisão proferida no Rio de Janeiro.

O oferecimento da denúncia independe da decisão do STF. Pode ser proposta ao Órgão Especial e, caso o Supremo mude a decisão do TJ-RJ, a acusação retornaria para as mãos do juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal.

Veja também

Jair Bolsonaro comunicou a ministros da corte que indicará Kassio Nunes para o tribunal
justiça

Jair Bolsonaro comunicou a ministros da corte que indicará Kassio Nunes para o tribunal

Escolha de ministros para STF tem semelhanças com indicação de juiz para Suprema Corte dos EUA
política

Escolha de ministros para STF tem semelhanças com indicação de juiz para Suprema Corte dos EUA