Dia começa com FBC à frente do MDB e termina com Henry

O vice-governador retoma o comando do diretório estadual

Fernando-Bezerra-coelho-e-Rau-HenryFernando-Bezerra-coelho-e-Rau-Henry - Foto: Divulgação

O presidente Michel Temer chegou ao Estado, ontem, três dias após uma tensa reunião da Executiva Nacional do MDB dissolver o diretório pernambucano da sigla - tirando-o das mãos do vice-governador Raul Henry e colocando-o sob o comando do senador Fernando Bezerra Coelho, aliado de primeira hora do chefe do Planalto. Temer cumpriu agenda em Pernambuco ao lado de FBC ao longo do dia e chegou a atender pleito feito em público pelo governador Paulo Câmara, referente à prorrogação do regime especial de tributação para a montadoras, durante ato na Fiat Chrysler Automobiles, a despeito do estremecimento da relação. À noite, quando o presidente, que também visitou a Hemobrás, já havia encerrado suas agendas em Pernambuco, uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, suspendeu a dissolução do diretório estadual do MDB e determinou o seguinte: "Fica recomposto o status quo ante à decisão proferida pelo Ministro Admar Gonzaga no referido MS, voltando a funcionar o Diretório Estadual do MDB/PE com a sua composição anterior à reunião da Comissão Executiva Nacional, ocorrida em 20/3/2018". Em outras palavras, Raul Henry retoma o comando do diretório estadual. Ao final da reunião da executiva nacional do MDB na última terça, o presidente nacional da sigla, Romero Jucá, chegou a cravar que o movimento de dissolução estava se dando em acordo com Temer. Nos bastidores, restaram leituras de que o pano de fundo fora retaliação. Para FBC, a situação não demanda tanta pressa, porque seu mandato segue até 2022, mas o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho, filiou-se também ao MDB na última quarta-feira e irá concorrer no pleito deste ano. Esse imbróglio se arrasta desde setembro, quando FBC filiou-se ao MDB e Jarbas chegou a dar-lhe as boas-vindas, dispensando elogios a Fernando Filho, antes que o caldo entornasse.

Ao longo do dia
Ontem, ainda cedo Raul Henry chegou a pedir sua habilitação como pessoa física no processo do STF. O MDB nacional contestou a legitimidade de Raul para falar em nome do diretório, após a dissolução. A advogada de Henry é a ex-ministra do TSE, Luciana Lóssio.

Movimentação 1 >
Fernando Bezerra, por sua vez, já falando oficialmente como presidente estadual, também chegou a se habilitar no processo.

Movimentação 2 > Também ontem, os advogados de FBC chegaram a conseguir suspender todas as decisões do TJPE contra a dissolução do diretório antes da decisão do ministro Ricardo Lewandowski.

Merenda >
De acordo com o auditor Alfredo Menezes, existem outras investigações no TCE que podem gerar novas operações policiais como a Operação Ratatouille.

Com Lula > O regime tributário especial, que se aplica a montadoras do Nordeste, do Norte e do Centro-Oeste, teve a vigência prorrogada, de 2010 até 2020, via pedido feito por Eduardo Campos ao ex-presidente Lula. Nos últimos meses, alguns ruídos se deram entre governadores e a União sobre o assunto.

Com Temer > Ontem, durante a visita de Temer à Fiat Chrysler, antes que ele se discursasse, o Paulo Câmara adiantou-se e cobrou a prorrogação do benefício.

Eu quero >
Temer disse que "sim". O pedido de Paulo Câmara foi público. Agora, a vigência da medida - através da qual a Fiat pode compensar parte do pagamento de PIS e Cofins com créditos de IPI, mediante renúncia fiscal da União - vai até 2025.

Veja também

Bolsonaro diz que pediu flexibilização de restrições para entrada nos EUA para estudantes
Diplomacia

Bolsonaro diz que pediu flexibilização de restrições para entrada nos EUA para estudantes

Disputa começa a entrar na pauta do eleitor
Edmar Lyra

Disputa começa a entrar na pauta do eleitor