Digital mais nítida de Paulo, Zé Neto visto com bons olhos na Alepe

Eriberto falou em entrevista à Rádio Folha

Eriberto MedeirosEriberto Medeiros - Foto: Jarbas Araújo/Alepe

Entre integrantes da gestão Paulo Câmara e parlamentares da Assembleia Legislativa, há um consenso: não é fácil tocar a Casa Civil em tempos de crise. A secretaria é a porta onde batem prefeitos e deputados, o destino primeiro das cobranças. Sobre o escolhido do governador para tomar a frente do posto, agora, José Neto, já estão, naturalmente, depositadas as expectivas da Casa de Joaquim Nabuco, cujos parlamentares já vinham externando carência em relação à "ausência" do ex-titular Nilton Mota, na articulação política. Indagado sobre a troca, o presidente da Alepe, Eriberto Medeiros, observa que Nilton como secretário tinha suas "limitações e dificuldades" e pondera o seguinte: "Esses conflitos, geralmente, são casos que giram em torno dos municípios e a necessidade de ações nos municípios requer recursos e os recursos estão escassos". Daí, cita "a crise", "o desemprego", a baixa "arrecadação" e ainda "relação que o Estado, hoje, tem com o Governo Federal, que não é das melhores". Em função disso, Eriberto registra que "os recursos federais não chegam como deveriam e tudo isso, infelizmente, causa uma certa insatisfação, um certo mal-estar". O panorama que o presidente traça dá uma ideia da missão que Zé Neto terá. Em setembro de 2017, a um ano da reeleição de Paulo Câmara, Nilton Mota fora alçado ao comando da Casa Civil em substituição a Antonio Figueira. Figueira, então, foi para a Assessoria Especial do governador, onde permanece.

Hoje, a um ano da eleição municipal, Zé Neto assume o comando num cenário pouco confortável. "Não se pode negar que existia cobrança da Assembleia junto à Casa Civil para que essas execuções viessem a ser realizadas e isso é público e notório, mas nada pessoal contra o secretário Nilton Mota, subtituído por Zé Neto, que teve brilhante passagem pela Administração e esperamos que possa tocar todo esse trabalho e essa boa relação com o poder legislativo", pondera Eriberto Medeiros em sinal de que as esperanças foram renovadas na Casa. Entre socialistas, há quem avalie que o "governo Paulo Câmara mesmo começa agora", dado o grau de lealdade, amizade e proximidade de José Neto com o governador.

"Não vi ninguém resmungando"
Se entre socialistas, Zé Neto é visto como a digital mais nítida do governador Paulo Câmara, na Casa de Joaquim Nabuco, o nome não gera qualquer resistência. "Não vi ninguém reclamando, resmungando do nome dele. Até agora, não. Acho que tem uma boa relação. Temos a esperança de que as coisas aconteçam através do trabalho dele", assinala o presidente Eriberto Medeiros.
Sem...> A despeito de expectativas de que a PEC 04/2019 fosse votada no mesmo dia da LDO, Eriberto Medeiros decidiu separar as coisas. Motivo: "São duas discussões, não podem se misturar, ter nenhum nível de trauma ou discussão maior num momento em que você vai aprovar a LDO, que é de suma importância".
...Traumas > A Casa tem até amanhã para aprovar a LDO e a PEC que fixa percentual de emendas no orçamento ainda não foi votada em 2ª discussão. "Se tiver desentendimento, isso pode afetar a LDO, que é muito maior", explica Eriberto.
Sem quórum > Eriberto Medeiros voltou de Timbaúba, ontem, onde cumpria agenda da Alepe nos Municípios em função da votação. Mas a LDO acabou não sendo votada por falta de quórum.
SANTA CRUZ > O presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, terá dois dias de agenda no Recife e em Caruaru. Hoje, às 11h, ao lado do presidente da OAB-PE, Bruno Baptista, participa da cerimônia de colocação da foto de Ronnie Duarte na galeria de ex-presidentes da entidade. Às 16h, estarão na posse de Carlos Neves no TCE. Amanhã, Santa Cruz recebe a medalha de mérito José Mariano, na Câmara do Recife, às 10h, e participa do 1º Congresso Trabalhista de Pernambuco em Caruaru, às 18h30, promovido pela ESA PE.

Veja também

Trump fará primeiro discurso público após deixar presidência
EUA

Trump fará primeiro discurso público após deixar presidência

Justiça nega pedido de deputado que apalpou colega em SP para barrar investigação
Assédio

Justiça nega pedido de deputado que apalpou colega em SP para barrar investigação