Dilma disputará Senado por Minas Gerais

Dilma e outras lideranças petistas estão reunidas com Lula no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo

Dilma RousseffDilma Rousseff - Foto: Marcelo Chello/AFP

Em meio à turbulência provocada pela expedição do mandado de sua prisão, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva alinhavou com a ex-presidente Dilma Rousseff o lançamento da candidatura da petista ao Senado por Minas Gerais.

A ex-presidente mudará seu domicílio eleitoral para Minas Gerais nesta sexta-feira (6), onde passará a morar. O anúncio oficial será feito nesta sexta-feira, em Belo Horizonte.

Leia também:
Preso ou não, Lula segue como candidato do PT, diz Lindbergh
Grupos pró-Lula marcam ato no Recife, no Rio de Janeiro e no Paraná; MBL fará comemoração


Dilma e outras lideranças petistas estão reunidas com Lula no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo. O ex-presidente se dirigiu ao local onde começou a carreira como líder sindical depois de ser informado da determinação de sua prisão pelo juiz federal Sergio Moro. No entorno do prédio, militantes, curiosos e viaturas policiais.

Dentro, sindicalistas e parlamentares petistas aguardavam ansiosos no segundo andar uma fala do ex-presidente, que estava até as 20h50 trancado na sala da presidência, onde poucas pessoas eram autorizadas a entrar.

O clima era de confraternização, com políticos sendo cumprimentados pelos presentes. Estavam os deputados Paulo Teixeira e Paulo Pimenta, e o pré-candidato à Presidência pelo PSOL, Guilherme Boulos. O sindicato distribuiu cartazes com o rosto de Lula e os dizeres "Tô com Lula".

Lá estavam também o ex-governador do Ceará Cid Gomes (PDT) e o líder da oposição na Câmara, José Guimarães (PT).

Jornalistas foram hostilizados por militantes com ovos, gelo e berros de "vão embora, urubus!", direcionados sobretudo à equipe da Rede Globo. O deputado Orlando Silva (PC do B) falou com a imprensa antes de entrar no sindicato. Para ele, a ordem de prisão "nos aparece um atropelo completo" e "mais um abuso de autoridade" por parte do Judiciário.

Veja também

Abraham Weintraub é reeleito como diretor executivo no Banco Mundial por mais dois anos
Brasil

Abraham Weintraub é reeleito como diretor executivo no Banco Mundial por mais dois anos

Covas tem 26%, Russomanno, 20%, e Boulos e França empatam em terceiro, diz Ibope
SÃO PAULO

Covas tem 26%, Russomanno, 20%, e Boulos e França empatam em terceiro, diz Ibope