Dinheiro devolvido por Cerveró vai todo para Petrobras, decide STF

Para Teori Zavascki, não há “justificativa legal” para que o dinheiro seja também destinado à União

O líder da oposição na Alepe, Silvio Costa Filho (PRB)O líder da oposição na Alepe, Silvio Costa Filho (PRB) - Foto: Roberto Soares/Alepe

O dinheiro que o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró deve devolver aos cofres públicos será inteiramente repassado para a Petrobras, de acordo com decisão tomada ontem (2) pelo ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

A decisão contraria o que havia sido previsto pela Procuradoria-Geral da República (PGR) no acordo de delação premiada firmado por Cerveró. De início, somente 80% dos cerca de R$ 16 milhões que o Executivo concordou em devolver iriam para a Petrobras, e os outros 20% seriam destinados à União.

De acordo com Teori, não há “justificativa legal” para que o dinheiro seja também destinado à União, uma vez que o prejuízo seria apenas indireto, na condição de acionista majoritária da Petrobras, o que por si só não seria razão o bastante para que recebesse parte da quantia repatriada.

"Essa circunstância não é suficiente para justificar que 20% dos valores repatriados lhe sejam direcionados, uma vez que o montante recuperado é evidentemente insuficiente para reparar os danos supostamente sofridos pela Petrobras em decorrência dos crimes", escreveu Teori na decisão.

O ministro atendeu a um pedido que havia sido feito pelos próprios advogados da Petrobras. Em junho, Teori tomou decisão similar em relação aos cerca de R$ 79 milhões que devem ser repatriados pelo ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa.

Veja também

Bolsonaro nomeia Kassio Nunes Marques como ministro do STF
Supremo

Bolsonaro nomeia Kassio Nunes Marques como ministro do STF

Bolsonaro pede que diplomatas levem verdade do Brasil ao exterior
Política

Bolsonaro pede que diplomatas levem verdade do Brasil ao exterior