Política

Diretora de avaliação da Capes pede demissão após atritos com governo Bolsonaro

O pedido de demissão foi feito na sexta-feira (17) e a exoneração oficial deve sair nesta semana

Capes Capes  - Foto: Divulgação

A diretora de Avaliação da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), Sônia Nair Báo, pediu demissão do cargo por causa de desgastes com a presidência do órgão com as intervenções do MEC (Ministério da Educação).
O cargo que era ocupado por Bao é um dos mais relevantes da Capes, responsável pela política de avaliação dos programas de pós-graduação. A Capes é ligada à pasta comandada por Abraham Weintraub.

Leia também:
Procuradoria entra na Justiça para Capes revogar portaria que levou a corte de bolsas de pesquisa
MEC prorroga por 30 dias validação de inscrição no Fies

O pedido de demissão foi feito na sexta-feira (17) e a exoneração oficial deve sair nesta semana. Esse não é um caso isolado de pedido de demissão recente nas áreas da educação e pesquisa por causa de descontentamento. O então secretário de Educação Básica do MEC, Janio Macedo, se demitiu no dia 9 deste mês por discordâncias com Weintraub e sua postura ideológica. Na última sexta, o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, demitiu o presidente do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) João Luiz Filgueiras de Azevedo -que vinha combatendo o esvaziamento do órgão.

Um dos cotados para assumir a diretoria de Avaliação é o bioquímico e professor da Unicamp Marcos Eberlin. A exemplo do presidente da Capes, Benedito Aguiar, o professor Eberlin também é entusiasta do chamado design inteligente -roupagem do criacionismo que advoga uma natureza teológica da origem do universo, em contraponto ao darwinismo. Sônia Báo é professora do departamento de biologia celular da UnB (Universidade de Brasília) e ocupava a diretoria de Avaliação desde o governo Michel Temer (MDB). Sua atuação na Capes tinha respaldo de pesquisadores e entidades representativas da área.

Sob a gestão Bolsonaro, ela acumulava desconfortos desde o ano passado. Segundo pesquisadores consultados pela Folha de S.Paulo, Báo argumentava que sua permanência no cargo se dava pelo compromisso, sobretudo, com a consolidação de um novo modelo de avaliação dos programas desenvolvido pela Capes desde o governo passado e apresentado já nesta gestão.

Relatos recebidos pela reportagem indicam novo episódio de desgaste envolvendo a prorrogação de prazos para universidades entregarem os dados sobre os programas de pós-graduação. O presidente da Capes estaria tutelado por assessores de Weintraub, que não concordavam com mudanças nos prazos -a prorrogação, no entanto, deve ocorrer. Foi por causa de intervenções de Weintraub que a Capes alterou em março regras para concessão de bolsas que haviam sido estipuladas pela própria agência no mês anterior.

As novas regras desorganizaram a concessão de bolsas e reduziram o fomento na área de humanas. Ainda causaram revolta em pesquisadores e o Ministério Público Federal entrou na Justiça para suspender a portaria.

A Capes se nega a apresentar o quadro geral de bolsas por programa de pós, de modo a dar transparência aos efeitos da regra. No início de abril, a Folha de S.Paulo revelou que o novo regramento havia provocado o corte de cerca de 6.000 bolsas de pesquisa -o órgão disse que foi um erro e prometeu restituir os benefícios. Questionada, a Capes diz que a diretora pediu demissão por motivos pessoais. A professora Sônia Báo não quis falar à Folha de S.Paulo.

Veja também

Mulheres saem às ruas do Centro do Recife em ato pela democracia
Manifestação

Mulheres saem às ruas do Centro do Recife em ato pela democracia

Bolsonaro se esquiva de responder se fez "rachadinha": "É uma prática meio comum"
Presidente

Bolsonaro se esquiva de responder se fez "rachadinha": "É uma prática meio comum"