Dirigentes petistas já admitem nome de outro partido para 2018

Plano original de Lula era de lançar a candidatura de Eduardo Campos em 2018

FalamansaFalamansa - Foto: Divulgação

Dirigentes petistas e do Instituto Lula admitiram na última quinta-feira (13) a possibilidade de lançamento de um candidato de outro partido para a disputa presidencial de 2018, especialmente se nascido de uma frente ampla.

Ao comentar entrevista do presidente do PDT, Carlos Lupi, à Folha de S.Paulo, petistas reconheceram que faz sentido a informação do pedetista de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estaria aberto a um nome de outro partido.

Um colaborador de Lula chegou a lembrar que o plano original de Lula era de lançar a candidatura do governador Eduardo Campos (PSB-PE) em 2018, morto em um acidente aéreo durante a campanha eleitoral de 2014.

Ainda segundo petistas e colaboradores de Lula, não está descartado o nome do pedetista Ciro Gomes (PDT) para a corrida presidencial, desde que avalizado pela frente a ser constituída.

Presidente do PT de São Paulo, Paulo Fiorilo afirma que essa é uma hipótese, mas "ainda cedo" para definições.

Outro dirigente petista repete a ideia de prematuridade da discussão. Mesmo admitindo a tendência de lançamento de nome fora do PT, esse petista reclama do tom adotado por Lupi. O pedetista disse que o PT tem que "cair na real" e recuar para se dedicar a sua restruturação.

Esse é o discurso do próprio Lula durante reuniões partidárias. Mas, na opinião de alguns petistas, Lupi não precisava ser tão explicito, já que prega a unificação da esquerda.

Veja também

Bolsonaro confirma Renato Feder, secretário do Paraná, para assumir Ministério da Educação
Política

Bolsonaro confirma Renato Feder, secretário do Paraná, para assumir Ministério da Educação

Bolsonaro veta obrigação do uso de máscara em igrejas e comércios
Coronavírus

Bolsonaro veta obrigação do uso de máscara em igrejas e comércios