crise diplomática

"Discordamos", diz porta-voz do governo americano sobre declaração de Lula sobre Israel e Palestina

Secretário de Estado dos EUA irá se encontrar Lula nesta quarta-feira; brasileiro se tornou persona non grata em Israel após comparação

Matthew Miller durante coletiva de imprensa nesta terça-feira (20/02) Matthew Miller durante coletiva de imprensa nesta terça-feira (20/02)  - Foto: Reprodução

O porta-voz do governo americano Matthew Miller disse que os Estados Unidos discordam da recente declaração do presidente Lula, que comparou os ataques de Israel a Gaza ao Holocausto. Durante uma coletiva de imprensa no Departamento de Estado americano, um jornalista questionou o porta-voz sobre se isso seria tema das conversas entre Lula e o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, que desembarca no Brasil na noite desta terça-feira.

— Obviamente, nós discordamos desses comentários. Fomos bastante claros que não acreditamos que um genocídio ocorreu em Gaza. Queremos ver o conflito encerrado quando for possível. Queremos ver aumento de ajuda humanitária para civis em Gaza. Mas não concordamos com esses comentários — disse Miller.

O encontro de Blinken e Lula, marcado para quarta-feira, acontece em meio à tensão diplomática entre Brasil e Israel após o presidente brasileiro comparar as ações de Israel em Gaza ao extermínio de judeus pela Alemanha nazista. Segundo nota do Departamento de Estado, Blinken "reafirmará o nosso interesse mútuo em garantir a paz internacional, reconhecer os direitos dos trabalhadores, promover a igualdade racial e acabar com a desflorestação".

 

Segundo a embaixada americana no Brasil, o encontro terá como discussão questões bilaterais e globais. Blinken também participará da reunião de chanceleres do G20, que acontece no Rio de Janeiro, nos dias 21 e 22.

Tensão com Israel
Lula foi declarado persona non grata em Israel nesta segunda-feira, um dia após ter comparado as mortes do povo palestino em Gaza à matança de judeus na Alemanha nazista. Depois da medida do país, Lula chamou de volta ao Brasil o embaixador brasileiro em Israel, Frederico Meyer.

A desocupação do posto em Tel Aviv indica um agravamento do impasse diplomático entre Brasil e Israel e pode, eventualmente, ser o primeiro passo para o esfriamento ou até o rompimento das relações bilaterais.

A fala de Lula, que também classificou como “genocídio” a guerra em Gaza, foi feita em entrevista a jornalistas na Etiópia no último domingo.

O presidente comparou Gaza com o Holocausto no momento em que criticava países ricos que suspenderam o financiamento à agência da Agência da ONU de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA, na sigla em inglês), após a denúncia do governo israelense de que funcionários do órgão haviam participado do ataque terrorista do Hamas a Israel em outubro do ano passado.

No sábado, o presidente discursou na sessão de abertura da cúpula da União Africana, e teve reuniões bilaterais com líderes do continente, além do primeiro-ministro da Autoridade Palestina, Mohammad Shtayyeh. No encontro, ele criticou Israel e o Hamas.

Veja também

Vídeo mostra seguranças de Zema entrando em conflito com servidores durante manifestação
política

Vídeo mostra seguranças de Zema entrando em conflito com servidores durante manifestação

Recuperação do RS dá possibilidade de economia crescer mais, afirma Lula
Lula

Recuperação do RS dá possibilidade de economia crescer mais, afirma Lula

Newsletter