A-A+

Divisões cada vez mais profundas na COP25 para alcançar um acordo climático

A ONU considera que é necessário reduzir as emissões de gases em 7,6% ao ano entre 2020 e 2030

Conferência COP25 Conferência COP25  - Foto: CRISTINA QUICLER / AFP

A comunidade internacional, reunida na COP25 de Madri, está mais dividida do que nunca neste sábado, após uma noite de negociações para tentar alcançar um consenso sobre com que urgência e firmeza enfrentar a ameaça do aquecimento global.

A ministra chilena do Meio Ambiente, Carolina Schmidt, cujo país preside a conferência da ONU, apresentou um novo rascunho de acordo aos quase 200 países participantes. "A solução que propomos é equilibrada em seu conjunto", disse.

Leia também:
Geraldo Julio garante, na COP25, investimento de 300 mil euros para Parque Capibaribe
Pernambuco apresenta ações na Conferência do Clima da ONU

Muitos países, no entanto, expressaram oposição ao texto, incluindo membros da União Europeia, Brasil, Arábia Saudita, Colômbia, México, Argentina e Uruguai.

Ante a urgência climática anunciada pelos cientistas, a comunidade internacional precisa demonstrar em Madri sua disposição a elevar a "ambição" em 2020, ou seja, as metas de cada país de redução de emissões de gases do efeito estufa.

Os objetivos determinados no Acordo de Paris em 2015 são insuficientes para conseguir limitar o aquecimento a +1,5 ºC, um limite que de acordo com os cientistas permitira conter os efeitos devastadores.

Mas o rascunho do acordo não reflete a necessidade de reforçar as metas de redução das emissões em 2020.

"É impossível sair desta COP sem uma mensagem forte sobre a ambição", afirmou a União Europeia.

Os países insulares e mais vulneráveis à mudança climática denunciaram que, "ao invés de avançar", a comunidade internacional está "dando um passo atrás".

David Waskow, especialista em negociações climáticas do World Resources Institute, afirmou que "se o texto for aprovado no atual estado, a coalizão da pequena ambição vence".

México, Argentina e Uruguai denunciaram que o rascunho atual retirou as referências à importância de levar em consideração os direitos humanos e os dos indígenas na luta contra o aquecimento.

No ritmo atual, a temperatura mundial poderia aumentar até 4 ou 5 ºC no fim do século em comparação com a era pré-industrial e comprometer o futuro das jovens gerações.

A ONU considera que é necessário reduzir as emissões em 7,6% ao ano entre 2020 e 2030, mas estas registraram alta em 2019 no mundo.

Veja também

Ciro e Doria focam antipetismo para ir ao 2º turno, mas eleitores preferem Lula a Bolsonaro
Datafolha

Ciro e Doria focam antipetismo para ir ao 2º turno, mas eleitores preferem Lula a Bolsonaro

Léo Índio: PGR investiga primo de filhos de Bolsonaro por atos do 7 de setembro
7 de setembro

Léo Índio: PGR investiga primo de filhos de Bolsonaro por atos do 7 de setembro