Dodge ajuíza ação contra leis inspiradas no Escola Sem Partido

Dodge ainda criticou o chamado movimento Escola Sem Partido, que alega haver doutrinação política e ideológica nas escolas brasileiras

Procuradora-geral da República, Raquel DodgeProcuradora-geral da República, Raquel Dodge - Foto: José Cruz/Agência Brasil

No último dia à frente da PGR (Procuradoria-Geral da República), Raquel Dodge protocolou uma ação contra qualquer iniciativa de vigilância e censura a professores em sala de aula.

Dodge ainda criticou o chamado movimento Escola Sem Partido, que alega haver doutrinação política e ideológica nas escolas brasileiras. Ela defendeu a liberdade da atuação docente.

Ao STF (Supremo Tribunal Federal) a procuradora-geral pediu a suspensão de "qualquer ato do poder público -legislativo, administrativo ou jurisdicional- que autorize ou promova a realização de vigilância e censura da atividade docente".

Leia também:
Dodge denuncia fraude em investigação sobre Marielle
Na reta final, Dodge 'trava' opinião da PGR em temas sensíveis a Bolsonaro

Dodge requereu que, por decisão liminar (provisória), a corte barre leis, decretos e portarias embasadas, por exemplo, "em vedações genéricas e vagas à 'doutrinação' política e ideológica', à emissão de opiniões político-partidárias, religiosas ou filosóficas".

O relator da ação ainda não foi definido.

Veja também

Lei de proteção de dados entra em vigor nesta sexta-feira
Dados

Lei de proteção de dados entra em vigor nesta sexta-feira

Times formados à espera do início do jogo
Carlos Britto

Times formados à espera do início do jogo