CPI da Covid

Dono de empresa investigada afirma estar em quarentena e por isso vai faltar depoimento à CPI

Os advogados do empresário e da empresa informaram que encaminharam um ofício para a comissão para explicar o seu não comparecimento, em cumprimento a determinações da Anvisa

Sessão da CPi da Covid desta terça-feira (22)Sessão da CPi da Covid desta terça-feira (22) - Foto: Marcos Oliveira / Agência Senado

A defesa do sócio-administrador da Precisa Medicamentos, Francisco Emerson Maximiano, alegou que o empresário está em quarentena por conta de uma viagem a Índia e por isso não vai poder comparecer para seu depoimento à CPI da Covid, previsto para esta quarta-feira (23).

Os advogados do empresário e da empresa informaram que encaminharam um ofício para a comissão para explicar o seu não comparecimento, em cumprimento a determinações da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). A agência exige uma quarentena de 14 dias para viajantes oriundos do país asiático.

 

A defesa do empresário também requer no ofício acesso aos autos da CPI e afirma que se coloca à disposição para "desmentir as inverdades que maliciosamente vêm sendo difundidas" e prestar os esclarecimentos. Também afirma que a contratação da vacina Covaxin obedeceu "todos os critérios de integridade, valor de mercado e interesse público".

A Precisa é a representante no Brasil do laboratório indiano Bharat Biotec, que desenvolveu a Covaxin. A CPI suspeita de favorecimento do governo federal para a Precisa no contrato referente à vacina. A Folha mostrou que um servidor do Ministério da Saúde afirmou em depoimento ao Ministério Público Federal que houve pressão "atípica" para liberar a importação da Covaxin.

Veja também

Gilmar manda para PGR pedidos de investigação de conduta de Braga Netto sobre eleições de 2022
Eleições 2022

Gilmar manda para PGR pedidos de investigação de conduta de Braga Netto sobre eleições de 2022

Com reforma, Bolsonaro consolida 27 trocas na Esplanada dos Ministérios em dois anos e meio
Política

Com reforma, Bolsonaro consolida 27 trocas em dois anos e meio