Política

Doria assume prefeitura e promete governar SP com atitude e humildade

"Vamos governar para todos em São Paulo", disse o novo prefeito

Novaes irá gerir um ano do mandato, e, no segundo ano, a responsabilidade passará para Bruno Giovani, do Rio Grande do NorteNovaes irá gerir um ano do mandato, e, no segundo ano, a responsabilidade passará para Bruno Giovani, do Rio Grande do Norte - Foto: Divulgação

Em discurso minutos após ter sido empossado prefeito de São Paulo na tarde deste domingo (1º), João Doria prometeu "atitude" e "humildade" e que governará para todos os paulistanos, mesmo aqueles que não o escolheram nas urnas. "[Governarei] com o mesmo respeito e o mesmo sentimento." "(Teremos) respeito ao povo de São Paulo que nos elegeu, às vereadoras, aos vereadores, ao vice-prefeito e aos que também não nos elegeram, o mesmo respeito, o mesmo sentimento. Vamos governar para todos em São Paulo", disse o novo prefeito de São Paulo.

Na Câmara Municipal, Doria falou de improviso ao longo de nove minutos. Pregou respeito a vários segmentos da cidade. Falou em "ética na gestão pública", prometeu "transparência", "eficiência" e "inovação" e disse que sua administração estará sempre "aberta ao diálogo". Assim como na campanha eleitoral, repetiu que não é um político. "Sou gestor. Farei gestão à frente da cidade de São Paulo. No executivo serei um administrador da cidade."

Doria ainda disse que, em seu mandato, irá zelar pela relação do Executivo com o Legislativo e o Judiciário. E prometeu despachar todos os meses com os vereadores. Doria também fez uma provocação aos vereadores. "E tenho certeza também que o Legislativo dará demonstrações claras de respeito à transparência e à ética."
Ao iniciar a fala, Doria elogiou o vereador Eduardo Suplicy (PT), 75, a quem chamou de "amigo". O petista foi o vereador mais bem votado em São Paulo. Saudou ainda a presença do vice, Bruno Covas, também do PSDB, e de seus familiares.

Doria, 62º prefeito da maior cidade do país, falou em cerimônia na Câmara Municipal, onde 55 vereadores também foram empossados para o mandato até dezembro de 2020. Após o discurso, o tucano seguiu para o Theatro Municipal, também no centro da cidade, em evento de transmissão de cargo no qual receberá o bastão de Fernando Haddad (PT) e em que mais uma vez discursará.

Dos 55 vereadores, ao menos 38 deles devem integrar a base de apoio da gestão tucana. A oposição, ao menos neste início de mandato, será quase simbólica, com 11 nomes, sendo 9 do PT e 2 do PSOL. Empresário de 59 anos, o tucano foi eleito em primeiro turno com 3,1 milhões de votos (53% dos válidos) e assumiu o cargo com ao menos 118 promessas a serem cumpridas até o final do mandato de quatro anos –a Folha criou uma ferramenta on-line para que o eleitor paulistano possa acompanhar cada um desses compromissos.

Chamada Doria
A partir deste domingo, Doria terá o duplo desafio de colocar em prática o gestor propagandeado nas eleições e transformar a capital em vitrine para seu principal cabo eleitoral, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), pré-candidato à disputa presidencial de 2018.

Na campanha, Doria fez promessas ousadas. Por exemplo: acabar, em um ano, com as filas por vagas nas creches (são 133 mil crianças de zero a três anos à espera de matrícula) e por exames de saúde (são 417 mil no aguardo).

Há também compromissos polêmicos. Um deles, já com data para começar, será o aumento das velocidades máximas das marginais Tietê e Pinheiros (para 90 km/h, 70 km/h e 60 km/h nas pistas expressa, central e local) a partir de 25 de janeiro, data de aniversário de 463 anos da cidade. Os limites dessas vias foram rebaixados por Haddad em julho de 2015, com o objetivo de reduzir acidentes e melhorar a fluidez. Desde então, os acidentes com mortes caíram pela metade, e a Marginal Tietê completou 19 meses sem nenhum atropelamento.

De imediato, o foco do prefeito será com a zeladoria da cidade, alvo de críticas à gestão Haddad, em especial pela quantidade de lixo nas ruas, barracos de moradores de rua aos montes e mato alto em praças e canteiros de ruas e avenidas.
A gestão tucana terá 22 secretarias –sob Haddad, a prefeitura tinha 27 pastas. Entretanto, terá um gasto extra em 2017 criado por ele mesmo um dia após a eleição, quando anunciou o congelamento da tarifa de ônibus em R$ 3,80 ao longo de 2017. O valor repassado pela prefeitura às viações de ônibus para cobrir a diferença entre o que os passageiros pagam e os custos reais dos serviços deve passar dos R$ 3 bilhões neste ano, ante ao menos R$ 2,5 bi de 2016.

Veja também

Carmén Lúcia diz que Moraes na presidência do TSE em 2022 era "a pessoa certa, no lugar certo"
Brasil

Carmén Lúcia diz que Moraes na presidência do TSE em 2022 era "a pessoa certa, no lugar certo"

Ao deixar TSE, Moraes cobra regulamentação das redes sociais
BRASIL

Ao deixar TSE, Moraes cobra regulamentação das redes sociais

Newsletter