MANIFESTAÇÃO

Eduardo Bolsonaro diverge de tom moderado do pai e critica urna eletrônica após ato na Paulista

Eduardo comparou o resultado da contagem de pessoas com o das urnas eletrônicas

Bandeiras de Israel durante ato de Bolsonaro na Avenida PaulistaBandeiras de Israel durante ato de Bolsonaro na Avenida Paulista - Foto:

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) criticou as urnas eletrônicas ao comentar o levantamento feito pela Universidade de São Paulo (USP) sobre a quantidade de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) no ato realizado na Avenida Paulista neste domingo (25). A postura do "03" diverge da adotada pelo pai na manifestação, que evitou atacar o processo eleitoral e instituições ou autoridades diretamente no discurso.

Após o término do ato, o grupo de pesquisa Monitor do Debate Político no Meio Digital, da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP, estimou que o ato teve a presença de 185 mil apoiadores do ex-presidente. O levantamento da instituição mostrou um número três vezes menor do que a estimativa divulgada pela Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo, que disse que 600 mil estavam na Paulista neste domingo.

Eduardo criticou a contagem divulgada pela universidade, comparando o resultado com o das urnas eletrônicas. O sistema de votação usado pela Justiça Eleitoral nas eleições brasileiras desde 1996 é alvo de desinformação por bolsonaristas, que colocam em dúvida a confiabilidade das urnas sem apresentar provas.

"A USP sabe contar tão bem quantas pessoas tem na rua, quanto a maquininha conta voto", afirmou o deputado no X (antigo Twitter) neste domingo. Ele não esteve na manifestação convocada por Jair Bolsonaro e justificou o atraso de 11 horas do voo dos Estados Unidos para o Brasil.

Ao Estadão, o coordenador do grupo da USP responsável pelo levantamento, Pablo Ortellado, afirmou que a afirmação de Eduardo foi uma tentativa de "desqualificar" o trabalho feito pelos acadêmicos. "Nós temos feito estimativas de maneira séria, constante, com metodologia clara a partir de elementos que podem ser revisados. Gostaria de ver a metodologia e a fonte dos dados de quem acha que nosso trabalho não é sério", disse.

Não é a primeira vez em que o filho do ex-presidente critica o sistema eleitoral desde a derrota de Bolsonaro nas eleições de 2022. Na cerimônia de posse do seu terceiro mandato na Câmara no ano passado, Eduardo atacou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e disse que os brasileiros não são "obrigados a confiar" na instituição.

"Nós não somos obrigados a confiar cegamente em nenhuma instituição. Se o TSE abrisse uma investigação, como se espera de todo serviço público, que serviço público serve ao povo e não o contrário. Não somos obrigados a confiar cegamente em nenhuma instituição! Democracia não é instituição forte, democracia é indivíduo forte", disse o deputado, que foi eleito pelo sistema.

Ex-presidente fez discurso e pediu anistia a golpistas
Diferentemente do filho, o ex-presidente fez um discurso com tom moderado aos seus apoiadores na manifestação. Bolsonaro disse que sofre uma perseguição que se recrudesceu depois que deixou a Presidência no fim de 2022, pediu anistia a presos do 8 de Janeiro e minimizou as provas obtidas pela Polícia Federal (PF) na operação que investiga a suposta participação dele em tentativa de um golpe de Estado.

"Golpe é tanque na rua, é arma, é conspiração. Nada disso foi feito no Brasil. Por que continuam me acusando de golpe? Porque tem uma minuta de decreto de estado de defesa. Golpe usando a Constituição? Deixo claro que estado de sítio começa com presidente convocando conselho da República. Isso foi feito? Não", disse Bolsonaro.

Na última vez em que Bolsonaro esteve na Paulista, em 7 de setembro de 2021, ele fez um discurso que provocou uma crise institucional, ao chamar o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes de "canalha" e prometer aos apoiadores que "não mais cumpriria" medidas do magistrado.

Na ocasião, Bolsonaro também atacou o sistema eleitoral e as urnas eletrônicas, declarando que não participaria do que chamou de "uma farsa patrocinada pelo presidente do TSE". O ex-presidente também disse que não ia "aceitar" o resultado das eleições de 2022 "sem voto impresso e contagem pública de votos".

Veja também

Vídeo mostra seguranças de Zema entrando em conflito com servidores durante manifestação
política

Vídeo mostra seguranças de Zema entrando em conflito com servidores durante manifestação

Recuperação do RS dá possibilidade de economia crescer mais, afirma Lula
Lula

Recuperação do RS dá possibilidade de economia crescer mais, afirma Lula

Newsletter