POLÍTICA

Eduardo Cunha diz que votará em Bolsonaro: 'Estou enfrentando o PT'

Ex-presidente da Câmara diz que é 'antipetista' e avalia que erros de Doria começaram ao deixar prefeitura de São Paulo

Eduardo CunhaEduardo Cunha - Foto: José Cruz/Agência Brasil

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PTB) declarou nesta terça-feira (24), que apoiará a reeleição do presidente Jair Bolsonaro. O ex-deputado tenta reverter a inelegibilidade para disputar novamente uma cadeira no Congresso neste ano.

Cunha tentou se filiar ao Pros e assumir o comando do partido em São Paulo, mas divergências internas travaram o plano. Ele, então, decidiu se filiar ao PTB, legenda que reúne uma série de apoiadores do presidente.

Em entrevista ao programa "Pânico", Cunha disse que votará em Bolsonaro por ele ser o candidato que vai enfrentar o PT, legenda que lançará o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na disputa pelo Palácio do Planalto.

"Independentemente de gostar ou não do Bolsonaro, sou antipetista. A questão não é gostar ou não, é o que ele representa. Eu estou enfrentando o PT, e hoje ele representa esse enfrentamento" disse Cunha, que abriu o processo que resultou no impeachment da então presidente Dilma Rousseff.

O ex-deputado também foi questionado sobre a saída do ex-governador João Doria (PSDB) da corrida presidencial — o ex-governador de São Paulo anunciou na segunda-feira (23) que estava deixando a disputa. Para Cunha, Doria sofreu as consequências de escolhas políticas equivocadas que começaram quando decidiu deixar a prefeitura de São Paulo para concorrer ao governo do estado, em 2018.

"Doria não podia ter deixado a prefeitura, porque criou uma rejeição forte na capital. Depois, se elegeu (governador) às custas do Bolsonaro, mas virou oposição ferrenha ao Bolsonaro. O eleitor viu que tem interesse. Por melhor que fosse a gestão dele, na política, perante o eleitor, ele acabou. Ficou inviável", disse.

Cunha foi condenado por corrupção na Lava-Jato e chegou a ficar preso preventivamente — na pandemia, passou a cumprir prisão domiciliar, e em meados do ano passado retomou a liberdade. Em dezembro do ano passado, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) anulou uma das condenações e enviou o caso para a Justiça Eleitoral. Em um outro caso, em que já existia sentença em segunda instância, o Supremo Tribunal Federal (STF) também havia sustado a condenação e remetido os autos à Justiça Federal.

Por fim, há uma sentença em primeiro grau, da Lava-Jato do Paraná, em que ele foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Como não há decisão de segundo grau em vigor no momento, Cunha está inelegível porque teve o mandato cassado na Câmara.

Veja também

Randolfe diz que vai recorrer ao STF se Pachedo não fizer leitura de CPI até amanhã
CPI do MEC

Randolfe diz que vai recorrer ao STF se Pachedo não fizer leitura de CPI até amanhã

Pacheco diz a senadores que irá abrir CPI do MEC
BRASIL

Pacheco diz a senadores que irá abrir CPI do MEC