Eduardo Suplicy critica diretriz de Gleisi e expõe racha no PT

Suplicy criticou a orientação da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, para que sejam evitadas prévias para a definição do candidato a prefeito em São Paulo

Eduardo SuplicyEduardo Suplicy - Foto: Lucas Lacaz Ruiz/Folhapress

O vereador e ex-senador Eduardo Suplicy, um dos seis pré-candidatos do PT à Prefeitura de São Paulo, expôs neste domingo (19) a divisão no processo de escolha do partido para a disputa municipal de 2020.

Em uma publicação em rede social, Suplicy criticou a orientação da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, para que sejam evitadas prévias para a definição do candidato a prefeito em São Paulo.

Com aval de Lula, Gleisi manifestou a intenção após reunião com dirigentes petistas na sexta-feira (17).

Leia também:
PSDB diz que admiração por nazismo não é só de Alvim e o compara a Lula
PT vai acionar Comissão de Ética da Presidência e MPF contra chefe da Secom e adjunto
Gleisi Hoffmann é reeleita presidente do PT

"Embora presente à reunião de diretório nacional, e sendo um dos pré-candidatos, nenhum dirigente do partido me orientou sobre esta nova diretriz", afirmou Suplicy.
"Nos 40 anos de vida no PT, a experiência me mostrou que o intenso debate de ideias no processo democrático das prévias, previsto em nosso regimento, além de saudável, contribuiu para o fortalecimento do partido e nos levou a inúmeras vitórias", completou, em carta dirigida e Gleisi e publicada em seu perfil no Instagram.

À Folha de S.Paulo o pré-candidato disse que a ideia é fortalecer a candidatura que será escolhida no dia 15 de março. A exposição pública das divergências ocorre na véspera de nova reunião do diretório, prevista para esta segunda-feira (20) para discutir regras de possível prévia da candidatura do PT à prefeitura da capital paulista.

Gleisi tomou posse para mais um mandato como presidente nacional do partido. "O nosso esforço é para demover o diretório municipal de fazer prévias, e os pré-candidatos também. Nós queremos chegar a um nível de unidade", disse ela na sexta.

O PT tem, além de Eduardo Suplicy, os deputados federais Carlos Zarattini, Paulo Teixeira e Alexandre Padilha, o ex-deputado Jilmar Tatto e o ex-vereador Nabil Bonduki como pré-candidatos.

Suplicy cita a realização de prévias nas eleições municipais de 1985 e 1986, e na campanha presidencial de presidencial de 2002, em que disputou a vaga com Lula.
Como informou o Painel, da Folha de S.Paulo, Lula está diretamente envolvido na definição do quadro em São Paulo e está atuando para que o candidato seja escolhido nas próximas semanas.

Em reunião na sexta, a sigla reforçou a orientação de lançar o maior número de candidaturas próprias nas municipais deste ano e trabalhar para evitar prévias e impedir rachas.

Segundo Gleisi, o ex-presidente reiterou a tese de que o partido tenha protagonismo nos pleitos municipais e intensifique a oposição ao governo Jair Bolsonaro (sem partido).

Nas eleições municipais de 2016, o PT perdeu mais de metade das cidades que administrava. Naquele ano, o partido foi o que mais encolheu, indo de para 630 prefeituras para 256.

Veja também

Justiça derruba decisão que bloqueava bens de Doria em ação por improbidade na Prefeitura de SP
são paulo

Justiça derruba decisão que bloqueava bens de Doria em ação por improbidade na Prefeitura de SP

Com 'Erundinamóvel', vice de Boulos entrará na campanha de rua para tentar forçar ida ao 2º turno
SÃO PAULO

Com 'Erundinamóvel', vice de Boulos entrará na campanha de rua para tentar forçar ida ao 2º turno