Elite da Polícia do Paraná investiga ataque à caravana de Lula

O laudo pericial do ônibus que recebeu os tiros deve ficar pronto nos próximos dias

Pessoa mostra marca de tiro na lataria do ônibus da caravana do ex-presidente Lula no Paraná. Pessoa mostra marca de tiro na lataria do ônibus da caravana do ex-presidente Lula no Paraná.  - Foto: Marlene Bergamo / Folhapress

Um inquérito policial foi aberto para apurar as circunstâncias do ataque a tiros à caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Laranjeiras do Sul, no Paraná, informou a Secretaria de Segurança do estado nesta quarta (28).

Em nota, o órgão afirma que duas equipes da unidade de elite da Polícia Civil paranaense, o Cope (Centro de Operações Policiais Especiais), estão na cidade para ajudar nas investigações e que o laudo pericial do ônibus que recebeu os tiros deve ficar pronto nos próximos dias. Foi reforçado o policiamento de todos os locais indicados para haver manifestações com o ex-presidente.

"Não houve qualquer pedido formal de escolta da caravana do ex-presidente nem do próprio ex-presidente, embora ele tenha esta prerrogativa. Tanto é que o paradeiro dele é incerto e não sabido", disse o órgão. "Cabe ressaltar que houve alteração, por parte dos organizadores da caravana, do roteiro e do cronograma que foram informados previamente às forças de segurança do Estado do Paraná."

Leia também:
Lula compara violência contra caravana ao surgimento do nazismo
Temer diz que ataque à caravana de Lula é "uma pena" e cria "clima de instabilidade"

Nesta quarta (27), dois dos três ônibus da caravana de Lula foram atingidos por quatro tiros durante a noite. Um dos veículos, que era ocupado por jornalistas e era o último do comboio, teve duas perfurações na lataria -dos dois lados. Outro tiro atingiu de raspão um dos vidros do mesmo veículo. Ninguém se feriu. O delegado de Laranjeiras do Sul, Fabiano Oliveira, disse acreditar que os disparos foram feitos por duas pessoas, com armas diferentes de baixo calibre.

Veja também

Governo decide prorrogar até abril de 2021 presença das Forças Armadas na Amazônia Legal
Meio Ambiente

Governo decide prorrogar até abril de 2021 presença das Forças Armadas na Amazônia Legal

STF nega maioria das solturas como a obtida por André do Rap
Justiça

STF nega maioria das solturas como a obtida por André do Rap