Em apoio a Lula, manifestantes ocupam ruas em torno do Sindicato dos Metalúrgicos

Manifestantes carregam faixas com mensagens de apoio a Lula e gritam “aqui está o povo sem medo de lutar”. O ex-presidente já apareceu na janela do sindicato para cumprimentar seus apoiadores, mas ainda não falou com a imprensa nem com o público

Manifestantes em apoioManifestantes em apoio - Foto: Nelson Almeida / AFP

Uma multidão de apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se concentra no entorno do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), em protesto contra o mandado de prisão expedido pelo juiz federal Sérgio Moro. Desde as 19h, as pessoas começaram a se reunir no local e, por volta das 21h, uma marcha composta por integrantes da ocupação Povo Sem Medo – de São Bernardo do Campo – chegou à porta do sindicato.

Os manifestantes carregam faixas com mensagens de apoio a Lula e gritam “aqui está o povo sem medo de lutar”. O ex-presidente já apareceu na janela do sindicato para cumprimentar seus apoiadores, mas ainda não falou com a imprensa nem com o público. Os senadores Gleisi Hoffmann e Lindbergh Farias e a ex-presidente Dilma Rousseff, além do presidente estadual do Partido dos Trabalhadores, Luiz Marinho; do coordenador do MTST e candidato à Presidência da República pelo PSOL, Guilherme Boulos; e do advogado de Lula, Cristiano Zanin, também estão no prédio.

Zanin falou com a imprensa e disse que a expedição do mandado de prisão contraria decisão proferida pelo próprio Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) de que deveria se esperar o término de todos os recursos possíveis de serem apresentados a este tribunal, o que ainda não ocorreu. Além disso, segundo o advogado, a defesa não foi intimada do acórdão que julgou os embargos de declaração em sessão de julgamento ocorrida em 23 de março deste ano. A senadora Gleisi Hoffmann considerou a ordem de prisão uma “obsessão” de Moro em relação a Lula.

Leia também
Ônibus da caravana de Lula foi atingido por dois tiros, diz laudo
Petistas pedem federalização de investigação sobre ataque a caravana de Lula
Presidentes da Câmara e do Senado criticam ataques à caravana de Lula


Conforme a decisão de Moro, Lula terá até as 17h desta sexta-feira (6) para se apresentar em Curitiba à Polícia Federal. O senador Lindbergh Farias, entretanto, disse que Lula não definiu se vai cumprir a ordem voluntariamente. "Na minha avaliação, não tem que se entregar. Se entregar é admitir culpa, não é o caso. Tem de prender o Lula no meio desse mar de gente, numa violência, com repercussão internacional, mas Lula ainda não decidiu, vai decidir só amanhã”, disse senador Lindbergh Farias.

Veja também

Raquel começa campanha na Feira do Salgado, Monte Bom Jesus e Via Parque, em Caruaru
Eleições 2020

Raquel começa campanha na Feira do Salgado, Monte Bom Jesus e Via Parque, em Caruaru

Delegada Patrícia Domingos visita a Folha de Pernambuco
Eleições 2020

Delegada Patrícia Domingos visita a Folha de Pernambuco