Em busca de bênção eleitoral, Doria vai à Marcha para Jesus com rival de Alckmin

Doria teve sua vez no microfone. 'Queeeeem ama sua família? Queeeem ama Jesus? Queeeem ama Deus? E o estado de São Paulo?', disse o ex-prefeito.

Doria marcou presença na Marcha para JesusDoria marcou presença na Marcha para Jesus - Foto: Reprodução/Facebook

O ex-prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) foi à Marcha para Jesus, nesta quinta (31) de Corpus Christi, com Flavio Rocha (PRB), presidenciável do partido que, na véspera, selou o apoio a sua candidatura para o governo paulista.

Estranhamento com o palanque duplo no estado, já que o ex-governador e padrinho político Geraldo Alckmin, tucano como o ex-prefeito, também mira o Palácio do Planalto?

Nenhum, disse Doria à reportagem, minutos depois de tirar uma selfie com Rocha, o prefeito Bruno Covas e o vereador João Jorge (PSDB) num café próximo ao ato religioso - a imagem foi prontamente divulgada pela assessoria do pré-candidato do PRB.

Leia também:
Moro cita fotos de Lula com Aécio e Geddel para negar suspeição por posar com Doria
Em crise, PSDB debate até obrigar declaração de apoio a Doria e Alckmin


"O que há é convergência por um Brasil unido em torno de candidaturas em defesa do Brasil. Nem esquerda nem direita, é o palanque do Brasil", afirmou o tucano.

Juntos, Doria e Rocha ajoelharam no trio elétrico batizado Bordoada, enquanto a multidão orava sob o comando do apóstolo Estevam Hernandes, presidente da Marcha e fundador da igreja que a organiza, a Renascer em Cristo.

Um dia antes, Hernandes disse à reportagem que a caminhada não é um evento político nem palanque. "Mas recebemos e oramos por todos."

O "amigo Doria", contudo, teve sua vez no microfone. "Queeeeem ama sua família? Queeeem ama Jesus? Queeeem ama Deus? E o estado de São Paulo?", disse o ex-prefeito.

À reportagem, no camarim do trio, o líder da Renascer reforçou o caráter "totalmente apolítico" da Marcha, que não tem candidato x ou y, disse.

"Agora, temos liberdade. João pediu para falar uma palavra cristã. Qualquer outro que viesse falaria."

Doria e Rocha não são os únicos atrás de bênção em ano eleitoral: o governador e adversário do ex-prefeito no pleito estadual, Márcio França (PSB), também confirmou presença no evento, assim como o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Bolsonaro ficou de passar na Marcha com o senador Magno Malta (PR), cotado como vice em sua chapa e convidado cativo no ato evangélico - no qual já se apresentou com sua banda gospel, a Tempero do Mundo, que tem no repertório "Força na Mão de Deus" e "Íntima Adoração".

Na edição de 2017, o apóstolo criticou Alckmin por cancelar sua ida em cima da hora. "Ele não julga [a Marcha] importante. Se julgasse, estaria aqui", disse o homem que idealizou o evento 26 anos atrás.

O ex-governador não confirmou presença neste ano.

Questionado sobre a ausência dele pela reportagem, Estevam citou primeiro uma passagem bíblica: "Pelos seus frutos os conhecereis".

E depois: "Foi uma opção dele não vir, talvez por respeito ao evento. Ano passado devia ter vindo, como governador".

No trio, para ruas lotadas de fiéis com abadá gospel azul onde se lia "o rei da glória", Estevam disse que o Brasil vive um "momento crítico". "Hoje o Deus da paz vai esmagar Satanás."

Ele também citou a greve dos caminhoneiros, que atrapalhou o cronograma da Marcha, atrasando a chegada de 11 trios e a montagem do palco. "Muita gente achou que a gente não ia conseguir. E a vitória de quem é? Grita comigo: J! E! S! U! S! Jesus!"

Em seu discurso à multidão azulada, Bruno Covas pediu "pra que a gente possa orar pra que o Brasil saia melhor do que entrou" após a crise dos combustíveis. Seguiram-se aleluias.

Veja também

João Roma aposta na assistência social para alavancar Bolsonaro
Edmar Lyra

João Roma aposta na assistência social para alavancar Bolsonaro

Aprovados querem nomeação e protestam por atenção
Carlos Britto

Aprovados querem nomeação e protestam por atenção