Em carta a Gleisi Hoffmann, Lula reafirma que é candidato

“Sou candidato até que a verdade apareça e que a mídia, juízes e procuradores mostrem o crime que cometi ou parem de mentir”, diz Lula na carta

LulaLula - Foto: Nelson Almeida/AFP

Preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR) desde 7 de abril, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou carta à presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), sinalizando que pretende manter a candidatura à Presidência da República na eleição de outubro.

“Sou candidato até que a verdade apareça e que a mídia, juízes e procuradores mostrem o crime que cometi ou parem de mentir”, diz Lula na carta.

Em seguida, o ex-presidente afirma: “Quem quer que eu não seja candidato eu sei, inclusive, as razões políticas, pois são concorrentes. Outros acham que fui condenado em segunda instância, então sou culpado e estou no limbo da Lei da Ficha Suja”.

Leia também:
Sem Lula, Ciro investe em aliança com PC do B
Senadores pedem apuração sobre limitação de visitas a Lula

Na carta, Lula reitera que é inocente e que admitir um plano B para o PT seria assumir um “crime” que não cometeu. Ele se refere à ação que o condenou a 12 anos e um mês de reclusão por corrupção e lavagem de dinheiro.

A Justiça entendeu que o ex-presidente foi beneficiado com o repasse de R$ 3,7 milhões em propina – parte paga por meio do triplex no Guarujá (SP) - em troca de conceder vantagens à empreiteira OAS em contratos com a Petrobras. 

Veja também

CPI vota, nesta quinta (20), pedido de acesso a vídeos de reuniões ministeriais com Ernesto
CPI da Covid

CPI vota, nesta quinta (20), pedido de acesso a vídeos de reuniões ministeriais com Ernesto

Ernesto diz que falou a verdade sobre Kátia Abreu em caso de suposto lobby chinês pelo 5G
CPI da Covid

[Ao vivo] Ernesto diz que falou a verdade sobre Kátia Abreu em caso de suposto lobby chinês pelo 5G