A-A+

Em debate com Guedes, Maia cobra medidas para enfrentar desemprego

Em evento do setor de construção civil, no Rio, Maia disse não se preocupar com a reforma da Previdência, que segundo ele já está encaminhada no Congresso

Presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM) e Ministro da Economia, Paulo Guedes.Presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM) e Ministro da Economia, Paulo Guedes. - Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) defendeu nesta sexta (17) uma agenda econômica de curto prazo, para tentar destravar a geração de empregos no país.

Em evento do setor de construção civil, no Rio, Maia disse não se preocupar com a reforma da Previdência, que segundo ele já está encaminhada no Congresso.

Ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, ele propôs o estudo de medidas para movimentar a economia enquanto os efeitos da reforma não forem sentidos. Citou como exemplo o uso do FGTS para fomentar investimentos.

Leia também:
Rodrigo Maia assume interinamente a Presidência da República
Guedes defende governo com 10 ministérios e 'bem pequenininhos'


"Nós estamos caminhando para o aumento do desemprego, para o aumento da pobreza e no final do ano voltamos a ter fome no país", afirmou o presidente da Câmara.

Ele discursou depois de Guedes, que falou sobre expectativas de crescimento após a aprovação da reforma da Previdência e de novas reformas que o governo pretende apresentar, como a revisão do pacto federativo.

Em seu discurso, Guedes acenou também com a redução de juros para financiamentos imobiliários concedidos por bancos públicos.

"Ministro, quando a gente ouve as suas apresentações, se fechar os olhos, a gente vê um Brasil espetacular, com redução da pobreza, melhora na educação...", disse. "Mas a base da sociedade vive uma crise, uma recessão real há cinco anos."

Ele afirmou que na semana que vem se reunirá com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para definir uma agenda positiva para o Congresso.

O presidente da Câmara criticou pressões que vem sofrendo por meio de redes sociais. "Se formos pensar em redes sociais, não aprovaremos nada", afirmou, relacionando as pressões a "corporações".

Maia, porém, vem sendo vítima também de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Em março, após uma série de ataques, chegou a ter discussões públicas com o próprio presidente.

Ele defendeu também uma restruturação da gestão pública no país. "O Estado brasileiro ficou caro", afirmou, citando que funcionários públicos ganham em media 67% a mais do que equivalentes no setor privado.

"Se a gente não reestruturar essa questão, não adianta nem desvincular o orçamento, já que quase 100% dos recursos são usados para pagar pessoal", argumentou. "A gente precisa enfrentar isso de forma rápida".

Ele alegou, por exemplo, que a diferença entre os pisos e tetos salariais das carreiras públicas são pequenos, o que leva diversas categorias a brigar por ganhos extras quando atingem o teto, como os honorários de sucumbência pedidos pelos advogados da União.

"A Câmara dos Deputados, sem nenhum deputado, custa R$ 4 milhões. Por quê? Tem os melhores servidores do país, sem dúvida nenhuma, mas o salário médio é R$ 30 mil. Não dá", disse.

Veja também

Super partido deve receber filiações no Estado inteiro
Carlos Britto

Super partido deve receber filiações no Estado inteiro

CPI da Covid ouve advogada dos médicos que denunciaram Prevent Senior à comissão
Prevent Senior

CPI da Covid ouve advogada dos médicos que denunciaram Prevent Senior à comissão