Em decreto, Bolsonaro esvazia conselho de proteção a direitos da criança

Decreto retirou todos os membros da sociedade civil que fazem parte do Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente)

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

Por meio de um decreto, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) retirou todos os membros da sociedade civil que fazem parte atualmente do Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente) e fez mudanças que, na prática, diminuem o poder do órgão de tomar decisões e emitir posicionamentos sobre o tema. As mudanças foram publicadas nesta quinta-feira (5) no Diário Oficial da União.

Criado em 1991, o Conanda tem como função fiscalizar ações e elaborar normas e diretrizes para assegurar a proteção dos direitos da criança e do adolescente no país. Reportagem da Folha de S.Paulo mostrou que o conselho, um dos poucos que sobreviveu ao decreto que extinguiu órgãos de participação social, já vinha sendo inviabilizado sob a gestão do atual Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, pasta à qual é vinculado.

Os problemas começaram no início do ano, e se agravaram nos últimos meses. Em maio, o ministério suspendeu o pagamento de passagens e diárias para que conselheiros, que não recebem remuneração pelo cargo, pudessem participar das assembleias.

Leia também:
Bolsonaro volta atrás e defende teto dos gastos
Damares extingue comitês de enfrentamento à violência contra mulher e minorias
Relação com passado ditatorial distancia presidente do Chile de Bolsonaro

Em agosto, entidades chegaram a custear os valores por conta própria para poder tomar decisões, mas a ausência de integrantes do governo evitou que o quórum fosse atingido. Na última semana, a pasta também exonerou a secretária-executiva do Conanda sem que a decisão fosse submetida ao órgão. Prevista para ser realizada em outubro, a conferência nacional dos direitos da criança também foi cancelada.

Agora, o decreto publicado nesta quinta traz novas mudanças que, na prática, diminuem o poder do conselho, previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente. Entre as medidas, o decreto dispensa todos os membros atuais do conselho e determina nova regras para escolha dos integrantes da sociedade civil. Antes definido por eleição em assembleia, a escolha agora ocorrerá por meio de processo seletivo.

O texto também diminui o número de integrantes do grupo, que passa de 28 a 18. Destes, nove serão de ministérios do governo e nove de entidades que atuam na área da infância. Antes, essa divisão era de 14 a 14. O número de reuniões também diminui. Em vez de encontros mensais, o novo decreto prevê encontros a cada três meses. Também estabelece que participantes que moram fora do Distrito Federal, e que antes participavam de forma presencial, participem por videoconferência.

Para Antônio Lacerda Souto, que ocupava o cargo de vice-presidente do Conanda, as medidas visam retirar o poder da participação da sociedade. "É o que o governo quer: desmontar os conselhos e não deixar que funcionem", afirma ele, que prevê impactos já neste ano para as políticas de defesa da criança, como a falta de aplicação dos recursos do Fundo Nacional da Criança e do Adolescente.

Composto por doações do imposto de renda, o fundo tem seu valor direcionado por meio de decisões do conselho. De R$ 12 milhões previstos, nenhum valor foi aplicado neste ano. "Até criar a nova estrutura, irá demorar. Isso significa que até o final do ano o conselho não poderá fazer nada, e o dinheiro do fundo não será usado. É o mesmo que dizem que criança e adolescente não tem prioridade absoluta", diz ele, que avalia ir à Justiça para que o governo reveja a decisão.

Para Thaís Dantas, advogada do Alana, ONG que atua na área da infância, o monitoramento de ações como o combate à violência e trabalho infantil será prejudicado. "A pauta da infância é constante e urgente. Não há como esperar três meses para deliberar esses temas", afirma ela, que também questiona a retirada dos integrantes.

"Isso viola toda a lógica de participação social e o direito das instituições eleitas, que tinham esse direito adquirido", completa. Questionado sobre o decreto, o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos ainda não respondeu.

Em nota divulgada após a publicação de reportagem da Folha, a pasta nega sucateamento do conselho e disse que adotou "todas as medidas cabíveis para dar continuidade ao funcionamento do órgão colegiado". Diz ainda que a suspensão de passagens e diárias "representa a preocupação em utilizar o dinheiro público em ações efetivas e que gerem reais transformações nas vidas das crianças e adolescentes do país".

Sobre as críticas de atraso na marcação de reuniões e ausência nas assembleias, o ministério informa apenas que "diversas atividades foram realizadas de março a agosto deste ano".

DIVERGÊNCIAS

Para participantes, no entanto, as ações podem estar relacionadas a divergências políticas. Em abril, o grupo se posicionou contra a proposta do governo de regular o ensino domiciliar, o que gerou incômodo no ministério. O embate se manteve nos meses seguintes. A defesa de membros de criar um grupo de trabalho para discutir questões LGBT, como o combate à violência e o respeito à identidade de gênero, também não foi bem aceita pela pasta.

Em outra medida, o ministério enviou um pedido ao conselho para que flexibilizasse uma resolução de 2004 que passou a considerar a publicidade infantil como abusiva. Nos últimos anos, a norma do conselho tem sido avaliada um dos marcos na proteção à criança.

Veja também

STJ manda Justiça do Rio analisar pedido de liberdade de Cristiane Brasil
justiça

STJ manda Justiça do Rio analisar pedido de liberdade de Cristiane Brasil

Conversinha mole de ficar em casa é para os fracos, diz Bolsonaro
Coronavírus

Conversinha mole de ficar em casa é para os fracos, diz Bolsonaro