Em depoimento, deputada Carla Zambelli nega aval de Bolsonaro para propor STF a Moro

Em 24 de abril, mesmo dia em que deixou o governo, Moro entregou ao Jornal Nacional, da TV Globo, trocas de mensagens com Zambelli, nas quais ela lhe pede que aceite a nomeação de Alexandre Ramagem

Carla Zambelli, deputada federalCarla Zambelli, deputada federal - Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Em depoimento prestado nesta quarta-feira (13), a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) negou ter acertado previamente com o presidente Jair Bolsonaro a proposta que fez ao então ministro da Justiça, Sergio Moro, para que aceitasse uma mudança de comando na Polícia Federal em troca de uma indicação para o Supremo Tribunal Federal.

O episódio é investigado em inquérito que apura se o mandatário tentou interferir indevidamente na PF, mudando os ocupantes de postos-chave para ter acesso a relatórios e informações sobre inquéritos.

Em 24 de abril, mesmo dia em que deixou o governo, Moro entregou ao Jornal Nacional, da TV Globo, trocas de mensagens com Zambelli, nas quais ela lhe pede que aceite a nomeação de Alexandre Ramagem, diretor da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), como diretor-geral da PF.

Ramagem é próximo da família Bolsonaro, que demitiu o então diretor-geral, Maurício Valeixo, para tentar emplacá-lo no cargo.

Leia também:
Senador pede que a PF faça busca e apreensão no celular de Carla Zambelli
Entenda a polêmica entre Túlio Gadêlha x Carla Zambelli

A nomeação, contudo, foi barrada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, por suspeita de desvio de finalidade do ato.

"Por favor, ministro, aceite o Ramage [sic]. E vá em setembro para o STF. Eu me comprometo a ajudar. A fazer o JB [Jair Bolsonaro] prometer", escreveu a deputada nas mensagens. "Prezada, não estou à venda", respondeu Moro.

Ao justificar a proposta, Zambelli disse à PF que, como ativista, já trabalhou pela nomeação de outras pessoas, como Ives Gandra Martins Filho, ministro do TST (Tribunal Superior do Trabalho), para o Supremo –o que não se concretizou.

Ela disse que tinha "vontade e perspectiva" da ida de Moro para o Supremo como um "caminho natural". E que trocou as mensagens como uma forma de incentivá-lo a ficar no Ministério da Justiça.

No depoimento, Zambelli frisou que "não chegou a ter qualquer conversa com o presidente Jair Bolsonaro no sentido de o ex-ministro Sergio Moro aceitar a substituição da Direção-Geral da PF, tendo como contrapartida a vaga no STF".

A deputada também negou que tenha falado em nome do mandatário com terceiros sobre a dança de cadeiras na PF.

Além da congressista, delegados e três ministros palacianos já prestaram depoimento no inquérito esta semana.

Veja também

Osmar Terra publica mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid
Coronavírus

Osmar Terra publica mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid

Bolsonaro multiplica palcos para radicalismo e busca popularidade
Política

Bolsonaro multiplica palcos para radicalismo e busca popularidade