Em depoimento, empreiteiro confirma pagamento a coronel amigo de Temer

Segundo pessoa com acesso às investigações, empreiteiro confirmou que foi cobrado pelo coronel João Baptista Lima Filho, amigo de Temer, a fazer um pagamento de R$ 1 milhão

Presidente Michel TemerPresidente Michel Temer - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O empreiteiro José Antunes Sobrinho, sócio da Engevix, prestou nesta terça-feira (5) depoimento à Polícia Federal no inquérito que apura se empresas do setor portuário pagaram propinas a Michel Temer.

Segundo pessoa com acesso às investigações, ele confirmou que foi cobrado pelo coronel João Baptista Lima Filho, amigo do presidente, a fazer um pagamento de R$ 1 milhão. O valor seria uma contrapartida à subcontratação da empreiteira para executar serviços de um contrato da Eletronuclear com empresa ligada a Lima. Os recursos teriam sido destinados à campanha de 2014.

Alvo da Lava Jato, Antunes tentou em 2016 um acordo de delação com o MPF (Ministério Público Federal), mas as tratativas não prosperaram. Agora, negocia uma colaboração com a própria PF, o que poderia reforçar algumas das teses da investigação sobre portos.

Leia também:
PF encontra R$ 23,6 mi em contas de amigo de Temer investigado por decreto
Governo Temer: entre o discurso e a prática


O empresário falou durante a tarde, na sede da corporação, em Brasília. O teor do depoimento é mantido em sigilo. Declarações pregressas dele já haviam sido usadas para embasar a operação Skala, que prendeu o coronel e outros aliados a Temer em março.

O empresário sustenta que Lima só conseguiu o contrato com a estatal, controlada pelo MDB, por causa do vínculo com Temer. Alega que que foi necessário subcontratar a Engevix porque a empresa ligada ao coronel não tinha capacidade para executar os serviços.

Os investigadores suspeitam que parte dos recursos recebidos pelo coronel, provenientes da Eletronuclear, tenham beneficiado o presidente, inclusive por meio de reformas em imóveis de sua família.

O contrato com a Eletronuclear, de R$ 162 milhões, foi firmado em 2012, para a elaboração de projetos da usina de Angra 3. A multinacional AF Consult, com sede na Finlândia, venceu a licitação e, para prestar os serviços, montou uma empresa no Brasil em parceria com a Argeplan Engenharia, que pertence ao coronel. Entre 2012 e 2016, o contrato rendeu R$ 55,2 milhões à filial brasileira.

A defesa de Lima nega envolvimento de seu cliente em corrupção. O advogado Brian Alves Prado, que defende Temer, disse que não teve acesso ao depoimento até o presente momento, razão pela qual deixa de se manifestar sobre o assunto. A reportagem não conseguiu contato com os advogados de Antunes.

Veja também

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral
Política

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral

Apoiadores de Bolsonaro convocam caravanas pelo país a favor de Arthur Lira e voto impresso
Bolsonaro

Apoiadores de Bolsonaro convocam caravanas pelo país a favor de Arthur Lira e voto impresso