Em evento no Rio, Lula compara governo Bolsonaro ao nazismo na Alemanha

Lula também afirmou que Bolsonaro tenta desmontar a cultura porque quer se vingar dos artistas que fizeram oposição a ele no período eleitoral, com o mote 'ele não'

Lula fala contra Bolsonaro em evento no Rio de JaneiroLula fala contra Bolsonaro em evento no Rio de Janeiro - Foto: Carl de Souza / AFP

Em evento com artistas no Circo Voador, casa de shows no centro do Rio de Janeiro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) comparou o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao nazismo na Alemanha. "Como na Alemanha nazista, querem destruir o Brasil começando pela cultura", disse.

Lula também afirmou que Bolsonaro tenta desmontar a cultura porque quer se vingar dos artistas que fizeram oposição a ele no período eleitoral, com o mote "ele não".

Estavam no palco políticos de esquerda como Dilma Rousseff (PT), Fernando Haddad (PT), Gleisi Hoffmann (PT) e Marcelo Freixo (PSOL). Os pais e a irmã de Marielle Franco, vereadora assassinada em março de 2018, também participaram do ato.

Leia também:
Em evento, Lula ataca imprensa e Lava Jato e fala em acabar com fascismo
Investigação da Lava Jato liga filho de Lula à compra do sítio de Atibaia

Estiveram presentes, ainda, artistas como Dira Paes, Agnaldo Timóteo, Osmar Prado e Bete Mendes. Condenado em segunda instância e impossibilitado de se candidatar em função da Lei da Ficha Limpa, Lula disse que tentarão evitar que ele reconquiste o direito de ser candidato.

"Eu também vou estar com 77 anos... É hora de parar de ser candidato?", questionou, obtendo forte reação negativa dos presentes, que lotaram o espaço.

Veja também

Cidades têm volta do panelaço em protesto pela má condução da pandemia pelo governo federal
Protesto

Cidades têm volta do panelaço em protesto pela má condução da pandemia pelo governo federal

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus
Congresso

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus