Política

Em freio a Doria, tucanos articulam comando rotativo no PSDB

Em vez de um mandato renovável de dois anos, como tem sido, o próximo presidente, que deve ser escolhido em maio, exerceria a função por quatro a seis meses

Governador de São Paulo, João DoriaGovernador de São Paulo, João Doria - Foto: Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil

Decanos tucanos articulam reservadamente que o comando do partido passe a ser rotativo.

Em vez de um mandato renovável de dois anos, como tem sido, o próximo presidente, que deve ser escolhido em maio, exerceria a função por quatro a seis meses, dando espaço em seguida a outro membro da executiva, e assim sucessivamente.

Expoentes como os senadores José Serra (SP) e Tasso Jereissati (CE) foram consultados. "Eu acho uma boa ideia", disse o cearense.

Leia também:
PSDB considera indevidas comemorações sobre golpe de 64, diz Alckmin

O ex-governador paulista Geraldo Alckmin, presidente nacional do PSDB, também faz parte das negociações, segundo relatos feitos à reportagem.

Consultado, Alckmin disse por meio de sua assessoria que "a sucessão não entrou ainda na pauta do PSDB". "De qualquer forma ele não pretende propor o rodízio na presidência", afirmou.

A articulação, se vingar, será um revés para o governador de São Paulo, João Doria, que apadrinhou a candidatura do ex-deputado e ex-ministro Bruno Araújo (PE) para a presidência do PSDB.

Tendo um aliado à frente da sigla, ele fica bem posicionado para a eleição presidencial de 2022. Aliados de Doria condenaram a iniciativa.

"Ideia de jerico", comentou o prefeito de São Bernardo do Campo (SP), Orlando Morando (SP). "É inconsistente, um absurdo, tem que fazer uma coisa programada. Em seis meses não dá para construir nada", rechaçou o aliado de Doria.

A convenção nacional do PSDB será em maio, em dia ainda não fechado. Na ocasião, será eleita uma nova executiva nacional. A expectativa do grupo do governador de São Paulo é ampliar sua representatividade no colegiado, hoje dominado pela velha guarda.

Fazem parte da atual direção tucanos com problemas judiciais que não se elegeram em 2018, como os ex-governadores Marconi Perillo (GO) e Beto Richa (PR) e o ex-ministro Aloysio Nunes Ferreira (SP).

Em seu trabalho para se consolidar como um líder nacional, Doria convidou as bancadas do PSDB na Câmara e no Senado para um jantar no Palácio dos Bandeirantes no próximo dia 12.

Ele também montou uma equipe de governo com ex-ministros de partidos grandes, já antecipando costuras de alianças eleitorais em 2022.

A aproximação entre Doria e Araújo começou depois de se eleger prefeito de São Paulo, em 2016. Ao tomar posse, o tucano começou um giro pelo país para se viabilizar candidato a presidente, em detrimento de Alckmin.

Na ocasião, o tucano encontrou em Pernambuco um aliado entre os cabeças pretas, jovens do PSDB que queriam renovação no partido. Naquele ano, Araújo assumira o Ministério das Cidades do governo Michel Temer (MDB) e manteve próxima a relação com Doria, eleito prefeito.

Veja também

Institutos de pesquisa cobram três pontos críticos do novo Código Eleitoral
Eleições 2022

Institutos de pesquisa cobram três pontos críticos do novo Código Eleitoral

Projeto no Senado esvazia Justiça Eleitoral, diz presidente do TSE
Tribunal Eleitoral

Projeto no Senado esvazia Justiça Eleitoral, diz presidente do TSE