Em Londres, Dilma diz que o PT não vai tirar Lula das eleições

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou neste sábado (5) que seu partido não discute plano B para a candidatura à Presidência de Lula. A fala do Brazil Forum UK, seminário criado por estudantes brasileiros no Reino Unido

A ex-presidente Dilma Rousseff teria sido "ironizada" pela ministra Damares Alves durante ato de posse  A ex-presidente Dilma Rousseff teria sido "ironizada" pela ministra Damares Alves durante ato de posse  - Foto: Facebook/O Processo

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou neste sábado (5), em evento em Londres, que seu partido não discute plano B para a candidatura à Presidência de Lula, condenado em segunda instância na Lava Jato e preso desde o dia 7 de abril.

Ao participar do Brazil Forum UK, seminário criado por estudantes brasileiros no Reino Unido, a petista falou por mais de uma hora e depois respondeu às perguntas da plateia.

Quando questionada sobre uma fala do ex-governador da Bahia Jaques Wagner de que o PT poderia estar aberto a apoiar Ciro Gomes (PDT), Dilma declarou que conversou com o correligionário há três dias, quando estava em Porto Alegre, e que ele lhe disse que foi mal interpretado.

Leia também:
Volta do Cinema São Luiz será com filme sobre o impeachment de Dilma Rousseff
PGR denuncia Dilma, Lula, Palocci e Gleisi por propina da Odebrecht
Ciro Gomes diz ter pena de Gleisi Hoffmann e que PT faz burrice

"Em tempos normais, acho que ele quis dizer que o PT pode apoiar outro partido e eu acho até que deve [no futuro]. Mas neste momento, nesta conjuntura, esta não é a nossa posição", afirmou Dilma.

A ex-presidente ressaltou que não vai discutir um plano B nem oferecer outro candidato. "Lula é inocente. Não é que não há provas, a verdade é que não há crime. Nos enfraqueceria se ele não for candidato a presidente nas próximas eleições. Nós iremos sustentar a posição de inocência do Lula. Não cabe a um inocente ser retirado. Não vamos tirá-lo das eleições de 2018. Se ele participar, ele ganha", afirmou.

Dilma disse que, apesar da decisão do partido de lançar Lula nesta eleição, a sigla deve apoiar nomes de fora nos próximos pleitos. "Daqui um tempo, nós vamos ter que passar o bastão para as novas gerações, para o pessoal de 30, 40, 50 anos. Nós já temos 70, né?"

Ela não falou em nomes específicos, mas indicou que os próximos líderes poderiam ser aqueles que estavam próximos a Lula no dia em que ele foi preso -caso dos pré-candidatos a Presidência Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D'Avila (PC do B).

Durante todo o dia, especialistas debateram assuntos ligados à política econômica, desigualdade, segurança pública, desenvolvimento urbano e empreendedorismo social.

O Brazil Forum UK continua neste domingo (6), desta vez sediado na Universidade de Oxford. Para encerrar a conferência, haverá uma palestra da pré-candidata a Presidência, Marina Silva (Rede).

Veja também

Câmara aprova urgência e acelera projeto para substituir Lei de Segurança Nacional
Congresso

Câmara aprova urgência e acelera projeto para substituir Lei de Segurança Nacional

Em reunião com embaixador americano, Paulo Câmara defende ações em defesa do meio ambiente
Blog da Folha

Em reunião com embaixador americano, Paulo Câmara defende ações em defesa do meio ambiente