Em meio a debate sobre abuso, Câmara desengaveta texto contra supersalários

Líderes dos principais partidos da Câmara apresentaram um pedido para que seja votada com urgência a proposta que impede remunerações acima do teto constitucional fixado em R$ 39,2 mil

Plenário da Câmara dos DeputadosPlenário da Câmara dos Deputados - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Líderes dos principais partidos da Câmara tiraram da gaveta nessa terça-feira (20) o projeto para coibir supersalários. No fim da tarde, apresentaram um pedido para que seja votada com urgência a proposta que impede remunerações acima do teto constitucional no serviço público -hoje, fixado em R$ 39,2 mil.

A retomada da discussão acontece no momento em que o Congresso volta a ficar sob pressão de integrantes do Judiciário e do Ministério Público, após a aprovação do projeto sobre abuso de autoridade. A iniciativa foi chancelada não só por siglas de centro e centro-direita, como DEM, PP, PL, MDB, PRB e PSD. O PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, e a oposição, como PT, PC do B e PSOL, também assinaram o pedido.

Leia também:
Associações organizam ato público contra projeto sobre abuso de autoridade
Polícia e Promotoria poderão ter 'temor excessivo' após projeto de abuso, diz Moro
Remédio pode virar veneno, diz Dodge sobre projeto de abuso de autoridade


A expectativa é a de que, com a chancela de a maioria das siglas da Câmara, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), coloque a urgência em votação nos próximos dias. O texto está pronto para ser votado há mais de um ano, quando o relator Rubens Bueno (Cidadania-PR) apresentou seu parecer. A proposta corta penduricalhos que inflam os contracheques e vencimentos de servidores e aposentados e pensionistas nos três Poderes. A restrição atinge magistrados, militares, chefes dos Poderes e servidores das estatais.

Além de elencar de forma detalhada as verbas que poderão ser pagas além do teto salarial do serviço público, a proposta também prevê uma pena de detenção de dois a seis anos para o agente público que autorizar o descumprimento do teto. Em seu relatório, Bueno elencou um conjunto de benefícios, como auxílio-alimentação, que podem ultrapassar o teto. O auxílio-moradia, por exemplo, pode ser mantido em certos casos, desde que cumpridos alguns requisitos, como a inexistência de imóvel funcional.

Os rendimentos recebidos por qualquer servidor público não podem exceder os R$ 39,2 mil que recebem os ministros do Supremo Tribunal Federal. Nele devem estar embutidos abonos, prêmios, auxílios e outros adicionais que acabam não computados como salário e abrem brechas para o pagamento de supersalários. O projeto volta a ser discutido quase três anos depois de ter passado pelo Senado. Em dezembro de 2016, os senadores aprovaram três propostas para coibir os supersalários no serviço público.

À época, a aprovação do pacote foi vista como uma ofensiva do então presidente da Casa, Renan Calheiros (MDB-AL), contra o Judiciário. Renan diz, no entanto, que seu objetivo era estabelecer um limite para os três Poderes, começando pelo próprio Senado. Assim que o projeto foi aprovado, os funcionários da Casa foram impedidos de ganhar acima do teto.

Veja também

STJ manda Justiça do Rio analisar pedido de liberdade de Cristiane Brasil
justiça

STJ manda Justiça do Rio analisar pedido de liberdade de Cristiane Brasil

Conversinha mole de ficar em casa é para os fracos, diz Bolsonaro
Coronavírus

Conversinha mole de ficar em casa é para os fracos, diz Bolsonaro