Em reunião no Rio, Temer anuncia a criação do Ministério da Segurança Pública

O assunto já vinha sendo discutido pelo governo, mas ganhou força com a onda de violência vivida pelo Rio durante o Carnaval.

Temer em reunião no Rio de JaneiroTemer em reunião no Rio de Janeiro - Foto: Alan Santos /PR

O presidente Michel Temer anunciou em reunião no Rio de Janeiro a criação do Ministério da Segurança Pública. A formação da pasta foi decidida nos últimos dias pelo governo. O presidente aproveitou para confirmá-la durante a reunião no Rio neste sábado (17) para tratar da intervenção federal na segurança do Estado.

Em pronunciamento após a reunião, Temer disse que a nova pasta vai coordenar o trabalho de segurança pública em todo o país. "Isso vai acontecer na próxima semana, no mais tardar na outra semana. Já conversei com os presidentes da Câmara e do Senado", disse o presidente.

O assunto já vinha sendo tratado pelo governo nos últimos meses, mas ganhou força com a onda de violência vivida pelo Rio durante o Carnaval. Pelo esboço feito pelo Palácio do Planalto, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e a Força Nacional iriam para o controle da nova pasta, o que esvaziaria o Ministério da Justiça.

Leia também:
Governo vai esperar aval do Congresso para iniciar intervenção no Rio
Analistas veem intervenção federal com reserva
Previdência não será única PEC parada durante intervenção no Rio


O nome do novo ministro ainda não foi anunciado. Um dos mais cotados é o de José Mariano Beltrame, ex-secretário estadual de Segurança do Rio de Janeiro. A criação da nova pasta faz parte de estratégia do presidente de criar uma marca para seu governo na área de segurança pública. Segundo pesquisa interna do MDB, o tema é um dos que mais preocupam os brasileiros para o processo eleitoral deste ano.

Segundo a Folha de S.Paulo apurou, o ministério será de caráter extraordinário, ou seja, com prazo de validade, podendo ser extinto quando arrefecer a crise na segurança pública.

Verbas
Na reunião, Temer ouviu de autoridades e políticos fluminenses que a situação da segurança no Rio não poderá ser resolvida sem o aporte de verbas federais para reorganizar a polícia do Estado. "A questão não deve ser só colocar as forças armadas nas ruas, isso seria resolvido pela GLO (Garantia da Lei e da Ordem). É preciso reorganizar, requalificar, reequipar a polícia", afirmou o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM).

"Certamente, se é uma intervenção, a responsabilidade do orçamento é da União", disse ele, que citou como exemplo o contrato de manutenção de viaturas policiais, que hoje não funciona por falta de recursos do governo federal.

O assunto foi tratado na reunião, que teve entre os presentes o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, mas não houve definição sobre verbas. Segundo os participantes, Meirelles não se manifestou. O presidente Temer, porém, disse que a presença de Meirelles e do ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, seria um indicador de que o governo está ciente da necessidade de recursos.

"Para dar certo, vai precisar de uma injeção pesada de recursos na reorganização da polícia e na capacidade de investimentos sociais do Estado", reforçou o deputado estadual Carlos Osório (PSDB).

Os participantes dizem que não houve qualquer detalhe operacional da intervenção nem foram citados nomes para o comando das forças de segurança estaduais. Na sexta, o secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, pediu exoneração de cargo. O general Braga Netto, que assumiu o comando da intervenção, classificou como "fake news" as informações de que já teria decidido por mudanças no comando das corporações da segurança estadual.


Veja também

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida
Saúde

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida

YouTube bloqueia vídeo de campanha de Russomanno por desrespeitar direitos autorais da Fifa
SÃO PAULO

YouTube bloqueia vídeo de Russomanno com imagens da Fifa