'Em vez de Mandetta, Bolsonaro devia usar caneta para Weintraub'

Deputado alerta para incertezas em torno do Fundeb

Danilo Cabral e Abraham Weintraub Danilo Cabral e Abraham Weintraub  - Foto: Marcelo Camargo/Ag. Brasil e Rafael Fur

Vice-presidente da Comissão Especial do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), o deputado federal Danilo Cabral alerta que esse é o principal desafio da Educação no País hoje. E chama a atenção para a situação de incerteza que passou a rondar a PEC 15/2015, conhecida como PEC do Fundeb.

O texto prevê que o fundo, cuja validade só vai até esse ano, se torne permanente e determina ainda que participação da União no financiamento saia de 10% para 15% em 2021, devendo a chegar a 20% num horizonte final, mediante um acréscimo de 1% a cada ano. Atualmente, estados e municípios bancam 90%, enquanto o complemento da União é de 10%. Havia acordo para votação da referida PEC nesse formato, mas um adiamento acabou prevalecendo. Danilo alerta para sinalização recente do ministro da Economia, Paulo Guedes, no sentido de apenas renovar o fundo sem entrar mais no mérito da ampliação da participação da União. "No meio de tudo isso, o ministro da Educação, no lugar de estar fazendo da defesa da ampliação do investimento em Educação, está brigando com a China", critica Danilo, referindo-se a Abraham Weintraub e às insinuações dele contra a China, que reagiu. Danilo acrescenta: "Weintraub não faz o dever de casa na Educação e ainda atrapalha a Saúde e a Economia".

O socialista cita o caso do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e, usando expressão adotada pelo próprio presidente Jair Bolsonaro sugere: "Em vez de falar em demitir Mandetta, que trabalha por soluções, Bolsonaro deveria usar caneta para Weintraub". O Fundeb financia 40 milhões de jovens na Educação Básica e nos ensinos fundamental e médio e é responsável por 63% de todos os recursos investidos na Educação Básica.

Contra o tempo
Presidente do MDB-PE, o deputado federal Raul Henry avalia que, neste momento de ações emergenciais, o Governo Federal precisa ser mais célere e operacional. “O Governo Federal deveria procurar as pessoas que trabalharam com isso no passado, a exemplo dos economistas Ricardo Paes de Barros, Ricardo Henriques e Marcelo Nery, que formularam e implementaram o Cadastro Único, conversar com prefeitos e governadores, no sentido de organizar esse novo cadastro", sugere o emedebista.
Regressiva > Henry prossegue, defendendo que trata-se de uma experiência nova para o País e observa que "é preciso fazer o recurso chegar na ponta o mais rápido possível".
Dito e... > Do deputado federal Silvio Costa Filho: "Toda vez que Donald Trump faz um pronunciamento, 24 horas depois, Bolsonaro também faz. Já é a terceira vez. Hoje (ontem), vai acontecer de novo". Em cadeia nacional ontem, Bolsonaro dirigiu um agradecimento ao primeiro-ministro da índia, Narendra Modi.
...feito > Bolsonaro avisou que, até o sábado, estará recebendo matéria-prima para a produção de hidroxicloroquina em função da ajuda da índia. Ontem, Trump, em sua rede social, já havia feito, horas antes, agradecimento, no mesmo formato, a Narendra Modi.
Momentâneo > Silvio Costa Filho preside, em Pernambuco, o Republicanos, partido ao qual o senador Flávio Bolsonaro vai se filiar. A expectativa, na sigla, é que essa passagem de Flávio dure até a formalização do Aliança pelo Brasil. Flávio vai apoiar o prefeito Marcelo Crivella no Rio de Janeiro na disputa deste ano.

 

Veja também

Governo desviou R$ 52 mi de publicidade da Covid para propaganda de suas ações
Brasil

Governo desviou R$ 52 mi de publicidade da Covid para propaganda de suas ações

Base de Bolsonaro evita apoio já à reeleição e cogita migrar para Lula
Corrida eleitoral

Base de Bolsonaro evita apoio já à reeleição e cogita migrar para Lula