Emails orientavam influenciadores para elogiar candidatos petistas

Empresas Fórmula e Follow prometiam remunerar influenciadores digitais de acordo com o alcance das publicações

Empresas do deputado federal Miguel Corrêa (PT-MG), ao lado de Fernando Haddad, usaram influenciadores digitais para elogiar candidatos do PT de forma massiva em redes sociais durante o período eleitoralEmpresas do deputado federal Miguel Corrêa (PT-MG), ao lado de Fernando Haddad, usaram influenciadores digitais para elogiar candidatos do PT de forma massiva em redes sociais durante o período eleitoral - Foto: Reprodução Facebook

"Olá! Bom dia :) A pauta para hoje é um pouco diferente", escreveu a jornalista Carolina Gasparetto Barin, da Follow, empresa do deputado federal Miguel Corrêa (PT-MG), em email enviado a cerca de 90 influenciadores digitais em 14 de agosto.

Corrêa, que foi candidato ao Senado e não se elegeu, é alvo de duas ações eleitorais, abertas em São Paulo em Minas, acusado de abuso no uso de meios de comunicação e abuso de poder econômico, respectivamente. 

Suas empresas Fórmula e Follow usaram influenciadores digitais para elogiar candidatos do PT de forma massiva em redes sociais durante o período eleitoral. Havia a promessa de remunerá-los segundo o alcance das publicações.

Leia também:
Partidos fecham bloco e isolam o PT
Toffoli cedeu a um 'motim judicial', afirma PT em nota
Wolney reage a 'assédio deselegante do PT'
Reportagem acusa campanha de Bolsonaro de comprar pacotes de disparos em massa de mensagens contra o PT no WhatsApp

Emails entregues por uma dessas influenciadoras, Danieli Moreira, ao Ministério Público Federal de São Paulo detalham como eles eram pautados a cada dia para direcionarem suas publicações. As postagens não identificam terem sido pagas ou contratadas, o que é proibido pela legislação eleitoral. A Danieli foi prometido o pagamento de R$ 2.000 por mês.

Os influenciadores forram arregimentados pela agência Lajoy, de marketing digital, com a proposta de que participariam de uma ação de ativismo de esquerda. "Essa ação não tem nenhum tipo de ligação com um candidato, a intenção é dar visibilidade às minorias e às causas que precisam ser discutidas", escreve um dos funcionários da Lajoy.

No dia 8 de agosto, a jornalista da Follow pautou os influenciadores com as seguintes sugestões: "criticar o governo e/ou a direita" usando exemplos de temas como a votação pelo Supremo do aumento do salário dos seus integrantes. Ou "participação das mulheres nas eleições e a necessidade de termos representantes mulheres e feministas".

Mas, no dia 14 de agosto, veio o alerta de que a pauta seria "um pouco diferente". "Nós queremos emplacar uma hashtag nos trending topics do Twitter durante a tarde, #LulaZord", anunciou. A ideia era levar aos assuntos mais relevantes do Twitter o registro da chapa petista à Presidência da República, com Lula (PT), Fernando Haddad (PT) e Manuela D'Ávila (PCdoB).

Como de costume, o email trazia imagens e sugestões de memes para serem postados. A partir de então, cada email diário passou a enfocar um político — e o desvio da função inicial acabou sendo o estopim para que uma influenciadora denunciasse o caso pelo Twitter. Em 20 de agosto, Barin orientou: "A intenção da pauta de hoje é evidenciar a relação entre Lula e Luiz Marinho. Queremos produzir conteúdos leves e que humanizem a figura de Luiz Marinho".

Ela lista uma série de memes, links e informações, como o perfil e as propostas do candidato petista ao governo de São Paulo. Ele também é acusado pelo Ministério Público de ter se beneficiado da ação. Se não conhecem vou dizer , ele é candidato ao governo de São Paulo pelo PT e concorre contra Dória e Skaff. Assim como Lula, Luiz Marinho foi metalúrgico nos anos 70 iniciou sua trajetória política como sindicalista. 

No dia seguinte, o mote foi "O que é que o Lindbergh tem?". "Queremos um conteúdo leve e bem-humorado que apresente o candidato como a melhor opção para senador no Rio de Janeiro", diz a jornalista. Era obrigatório o uso da hashtag #LindbergSenador. "O seu senador defende lula livre? Atá porque o meu sim", ou "A serenidade do olhar de quem lutou todos os dias contra o golpe ao lado da Dilmãe" eram as sugestões para os posts.

Décio Lima (PT) em primeiro lugar nas pesquisas para o governo de Santa Catarina foi o tema no dia 22. "Desde a década de 80, todos os governadores eleitos em SC foram de partidos de direita. A candidatura de Décio Lima traduz um sentimento progressista de mudança e de enfrentamento ao golpe e ao desgoverno Temer", explica a jornalista, listando links e informações sobre o petista.

Em 23 de agosto, a pauta enviada pela jornalista da Follow é "repercutir o vídeo que esclarece a decisão do Supremo Tribunal Federal que absolveu em 19 de junho a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) da acusação de corrupção e lavagem de dinheiro em um dos processos da Operação Lava Jato". "Orientamos o uso das palavras Gleisi, inocente e absolvida", escreve Barin. O Ministério Público Federal do Paraná informou que há uma investigação instaurada para apurar se Gleisi se beneficiou do esquema.

No dia 24 de agosto, Marinho voltou a ser a pauta. E, no dia seguinte, a ideia era enaltecer Wellington Dias (PT), governador do Piauí que foi reeleito. Sua campanha chegou a contratar a Fórmula e declarou pagamento de R$ 50 mil à empresa de Corrêa em sua prestação de contas. O Ministério Público Federal do Piauí tem um procedimento investigatório sigiloso sobre o caso — o que também poderá ensejar uma ação judicial.

Os emails da jornalista da Follow algumas vezes estabeleciam um rodízio para que todos os influenciadores não postassem no mesmo horário. Também lembravam do sigilo da ação: "Este documento é confidencial e não deve ser compartilhado com pessoas não envolvidas nesta ação".

Segundo Joyce Falete, dona da Lajoy, os conteúdos pautados aos influenciadores precisavam ter o aval de Corrêa. "Use a criatividade à vontade, adaptando a mensagem que queremos passar na maneira que você já costuma se comunicar. O ideal é o seu conteúdo ser o menos engessado possível, porém dentro do objetivo da ação", instrui Barin.

Outro lado
O advogado de Miguel Corrêa, Sérgio Santos Rodrigues, afirmou que ainda não foi intimado e que se manifestará quando tiver acesso ao teor das ações. A assessoria jurídica do governador Wellington Dias informou que a equipe não tinha conhecimento do uso de influenciadores quando contratou a Fórmula.

"Reforçamos que, em nenhum momento, foi autorizado ou orientado o pagamento a influenciadores digitais na campanha do então candidato à reeleição, Wellington Dias, portanto, não houve no pleito de 2018 qualquer ato que fosse vedado pela legislação eleitoral por parte da coordenação local que sequer se tinha conhecimento de tal atividade."

A assessoria de Luiz Marinho informou que a empresa de Corrêa "ofereceu o serviço à campanha, que após teste optou por não contratá-lo". A assessoria de Gleisi Hoffmann diz que é falsa a acusação contida na ação do Ministério Publico. "A senadora Gleisi não pediu, contratou nem recebeu serviços das empresas mencionadas. Fez sua campanha eleitoral totalmente dentro da lei."

Décio Lima afirmou à reportagem que não contratou empresa de Corrêa e que o deputado apenas lhe mostrou que tinha um conhecimento de influenciadores digitais para vender produtos.

"Não sei de nada disso. Se ele fez, foi por ele". O petista lembrou o caso de impulsionamento de WhatsApp pago por empresários que beneficiou a campanha de Jair Bolsonaro (PSL). "Se for assim, ele será cassado", disse. A assessoria de Lindberg Farias não respondeu até a publicação desta reportagem.

Veja também

Relator na Câmara inclui nepotismo como ato de improbidade e fixa prescrição em 8 anos
Nepotismo

Relator na Câmara inclui nepotismo como ato de improbidade e fixa prescrição em 8 anos

Ex-produtor de game show de Mario Frias é o novo número dois na Cultura
Cultura

Ex-produtor de game show de Mario Frias é o novo número dois na Cultura