Empresa dos irmãos Batista teve 'desconto' em acordo de leniência

A J&F conseguiu 25 anos para pagar e a dívida terá apenas correção monetária pelo IPCA

Joesley BatistaJoesley Batista - Foto: reprodução

Ao aceitar um prazo longo e juros baixos para o pagamento da multa imposta à J&F, holding que congrega os negócios dos irmãos Joesley e Wesley Batista, o Ministério Público Federal acabou concedendo, na prática, um expressivo "desconto".

Na terça-feira (30) à noite, o MPF-DF fechou o acordo de leniência do grupo com a aplicação de uma multa de R$ 10,3 bilhões, o equivalente a 5,36% do faturamento livre de impostos.

O valor foi comemorado pelos procuradores como o mais alto já pago no mundo. Em troca, as empresas do grupo, como JBS e Eldorado, se livram de vários crimes investigados pela Polícia Federal.

A J&F, no entanto, conseguiu 25 anos para pagar e a dívida terá apenas correção monetária pelo IPCA. No acumulado de 12 meses até abril, o IPCA está em 4,08%.
Esse juro é muito baixo comparado à taxa de retorno gerada pela JBS, o maior negócio dos Batista, que chega a 12,34% ao ano, conforme a agência Bloomberg.
Segundo o professor de finanças Marcos Piellusch, para pagar a multa ao longo dos próximos 25 anos, bastaria que os Batista aplicassem hoje R$ 5,3 bilhões em seu próprio negócio -ou seja, metade do valor devido. O cálculo considerou IPCA entre 4,36% e 4,5% ao ano.

A evolução das negociações demonstra que os procuradores não abriram mão de valor alto para a multa, mas que suavizaram as condições de pagamento.
A proposta anterior do MPF era multa de R$ 10,99 bilhões com 13 anos para pagar e correção pela Selic, que está hoje em 10,25%, mas deve terminar o ano perto de 8,5%, conforme o boletim Focus.

Supondo a Selic estável pelos próximos anos, os Batista teriam que aplicar significativamente mais dinheiro em seu negócio para pagar a multa: R$ 8,4 bilhões.
"A troca da Selic pelo IPCA dá uma vantagem financeira importante, porque uma taxa é quase metade da outra", diz Gilberto Braga, professor de finanças do IBMEC/RJ.

Outro caso rumoroso da Lava Jato, a Odebrecht vai pagar um valor absoluto menor -R$ 3,28 bilhões- mas a correção será pela Selic. O prazo é de 23 anos.
O valor da multa da J&F foi calculado pelo MPF com base na legislação, que determina até 20% da receita líquida da empresa. Como os crimes eram graves, os procuradores partiram desse teto, mas a J&F teve um desconto importante por causa da disposição em colaborar com a Justiça.

Também foi considerado no cálculo o percentual médio aplicado nos demais acordos de delação (Odebrecht, Braskem, Camargo Correa e Andrade Gutierrez).
Segundo uma pessoa envolvida na negociação, o prazo e os juros foram determinados observando a capacidade de pagamento do grupo. Uma preocupação é manter as empresas funcionando.

VENDA DE ATIVOS

Nos últimos três anos, a J&F não recebeu dividendos suficientes das empresas para pagar as parcelas da multa, que podem variar entre R$ 400 milhões e R$ 850 milhões. Os dividendos somaram R$ 92 milhões em 2014, R$ 213 milhões em 2015 e R$ 109 milhões no ano passado.

A holding tem, portanto três alternativas para obter os recursos: elevar a retirada de dividendos, vender ativos ou receber um aporte dos sócios.
A empresa vem negando que vá vender ativos, mas possui operações valiosas como a São Paulo Alpargatas, dona das Havaianas.

Procurado, o MPF-DF não se manifestou. A J&F informou que o pagamento da multa será feito de maneira a "garantir que os negócios do grupo prossigam em seu ritmo normal".

Veja também

'Nós fizemos a nossa parte', diz Bolsonaro em meio à crise de falta de oxigênio em Manaus
Coronavírus

'Nós fizemos a nossa parte', diz Bolsonaro em meio à crise de falta de oxigênio em Manaus

Presidente do Senado articula ajuda para fornecimento de oxigênio em hospitais de Manaus
Coronavírus

Presidente do Senado articula ajuda para fornecimento de oxigênio em hospitais de Manaus