Enquanto for presidente, vai ter mais, diz Bolsonaro sobre operação da Polícia Federal

"Isso não é informação privilegiada não. Vão dizer que é informação privilegiada", disse Bolsonaro ao deixar o Palácio da Alvorada na manhã desta quarta-feira

Jair BolsonaroJair Bolsonaro - Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

Ao ser abordado por um apoiador que agradeceu a operação da Polícia Federal desta terça-feira (26), que teve como alvo o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quarta-feira (27) que, durante seu governo, haverá ainda mais ações da PF.

"Vai ter mais. Enquanto eu for presidente, vai ter mais. Isso não é informação privilegiada não. Vão dizer que é informação privilegiada", disse Bolsonaro ao deixar o Palácio da Alvorada. A interação foi transmitida pelas redes sociais do presidente. Witzel é desafeto de Bolsonaro, que recentemente mudou a cúpula da Polícia Federal, gesto que motivou a saída do governo do então ministro da Justiça, Sergio Moro.

Leia também:
PF cumpre mandados judiciais em investigação sobre fake news
Investigação diz que Witzel está no topo de grupo que fraudou orçamento até de caixa d'água 

 

A ação desta terça-feira foi deflagrada um dia após ser nomeado o novo superintendente da corporação no Rio, Tácio Muzzi. A representação da PF no estado está no centro de uma investigação autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) que apura se o presidente buscava interferir politicamente em A Polícia Federal fez buscas no Palácio das Laranjeiras, residência oficial em que mora o governador do Rio de Janeiro. A Polícia Federal apreendeu o aparelho de celular e o computador do governador.

A operação, autorizada pelo ministro Benedito Gonçalves, do STJ (Superior Tribunal de Justiça), mira um suposto esquema de desvios de recursos públicos destinados ao combate ao coronavírus no estado. O inquérito no STJ foi aberto no último dia 13, com base em informações de autoridades de investigação do estado do Rio. Os mandados em cumprimento nesta quarta-feira foram solicitados pela PGR (Procuradoria-Geral da República) na semana passada.

Segundo investigadores, a PF também buscou provas no Palácio da Guanabara, onde o chefe do Executivo fluminense despacha, em sua antiga casa, usada antes de se eleger, e em um escritório da mulher dele. Ao todo, foram cumpridos mandados de busca e apreensão em 11 endereços. O governador seria ouvido nesta terça-feira, mas pediu para que o depoimento fosse adiado para que possa falar depois de ter acesso aos autos.

Nesta terça, em meio à operação, Witzel afirmou em nota que não cometeu irregularidades e apontou interferência de Bolsonaro na investigação. Ele apontou como evidência da interferência o fato de a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) ter mencionado nesta segunda (25) ações iminentes da PF contra governadores. Bolsonaro deixou o Palácio da Alvorada após falar apenas com apoiadores.

Veja também

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro reúnem-se em Boa Viagem para defesa do voto impresso
Eleições

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro reúnem-se em Boa Viagem para defesa do voto impresso

Em ato por voto impresso, Bolsonaro novamente coloca eleição de 2022 em dúvida
Fixação

Em ato por voto impresso, Bolsonaro novamente coloca eleição de 2022 em dúvida