Entenda o que a prisão de José Yunes significa para o governo Temer

Investigação apura se Temer praticou os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Editado em maio do ano passado, o decreto suspeito ampliou de 25 para 35 anos os prazos dos contratos de concessão e arrendamento de empresas que atuam em portos e

Ex-assessor especial de Temer, José YunesEx-assessor especial de Temer, José Yunes - Foto: Bruno Poletti/Folhapress

O advogado José Yunes, de 80 anos, preso nesta quinta (29), é citado em inquérito sobre o decreto dos portos que investiga o presidente Michel Temer (MDB), o ex-deputado e ex-assessor presidencial Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR) e um sócio e um diretor da empresa Rodrimar, que atua no porto de Santos (SP).

Leia também
Aliados de Michel Temer, Yunes, coronel Lima e mais dois são presos
Investigações mais amplas contra Michel Temer é temida pelo Planalto
José Yunes, ex-assessor e amigo de Temer, é preso pela PF


A investigação apura se Temer praticou os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. José Yunes é próximo de Temer e citado no inquérito. Editado em maio do ano passado, o decreto suspeito ampliou de 25 para 35 anos os prazos dos contratos de concessão e arrendamento de empresas que atuam em portos e permitiu que eles possam ser prorrogados até o limite de 70 anos.

Em junho de 2017, o então procurador-geral da República Rodrigo Janot pediu a abertura de um inquérito para investigar o presidente Michel Temer e a edição do Decreto dos Portos. Segundo a PGR, há indícios de que o decreto assinado por Temer tenha beneficiado a Rodrimar.

À época, a Rodrimar afirmou não haver amizade entre seu dono, Antônio Grecco, e o presidente. "A Rodrimar informa que nunca pagou 'propina' ou 'caixinhas' a quem quer que seja. Isso já foi apontado em inquérito arquivado pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Qualquer acusação neste sentido é falsa", disse a nota em junho. Grecco também foi preso nesta quinta.

Também é mencionado no inquérito o coronel João ​Baptista Lima Filho, aposentado da Polícia Militar de São Paulo e próximo do presidente Temer desde os anos 1980.
"É um absurdo", disse Yunes nesta quinta sobre a prisão, ordenada pelo ministro Luis Roberto Barroso, do STF. "É um caso em que eu já depus e tudo", afirmou.

Veja também

Senador flagrado pela PF com dinheiro na cueca pede licença de 90 dias do mandato
Política

Senador flagrado pela PF com dinheiro na cueca pede licença de 90 dias do mandato

Confira quais são os cuidados sanitários que o eleitor deve ter no dia da votação
Blog da Folha

Confira quais são os cuidados sanitários que o eleitor deve ter no dia da votação