Política

Entenda promessa e travas do salvo-conduto para dono de terra atirar em invasores

O presidente Jair Bolsonaro, pretende enviar ao Congresso proposta que beneficia os ruralistas

Presidente da República, Jair BolsonaroPresidente da República, Jair Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) promete enviar ao Congresso nos próximos dias uma proposta para dar salvo-conduto a donos de terra que atirarem em quem tentar invadir suas propriedades.

A fala foi comemorada por ruralistas, mas entidades ligadas aos trabalhadores rurais receiam que a proposta possa agravar os conflitos por terra. Nos últimos 33 anos, disputas fundiárias deixaram quase 2.000 mortos no país, mas só 8% dos casos foram levados a julgamento.

A promessa do presidente também foi criticada por especialistas em direito, que veem ameaça à Constituição. Se a lei passar no Congresso, dizem, poderá ser barrada no Supremo Tribunal Federal."Não existe equivalência entre propriedade privada e vida, então você não pode sacrificar uma vida a pretexto de proteção de propriedade. Juridicamente isso não é viável", diz a professora de direito da FGV-SP Maíra Zapater.



Leia também:
Bolsonaro comemora resultado do Inova Jovem de Ensino à Distância
Alfabetização será avaliada por gestão Bolsonaro só em amostra de escolas
Bolsonaro avalia cenários para privatização dos Correios


O que Bolsonaro prometeu?
Na segunda (29), durante a Agrishow, em Ribeirão Preto (SP), o presidente afirmou que pretende enviar ao Congresso um projeto para que a exclusão de ilicitude (quando se considera que não há crime) seja aplicada no caso de proprietários rurais que estejam defendendo sua propriedade ou sua vida.

No dia seguinte, em entrevista à Band, o presidente disse que é um direito do fazendeiro atirar, mas que "tem que ter legislação bastante rígida para quem porventura usa arma de forma irregular".

O que diz a lei atual sobre exclusão de ilicitude?
Segundo o artigo 23 do Código Penal, não há crime quando o fato for praticado:
em estado de necessidade ("considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para salvar de perigo atual, que não provocou por sua vontade, nem podia de outro modo evitar, direito próprio ou alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era razoável exigir-se") em estrito cumprimento do dever legal (caso das polícias, por exemplo) em legítima defesa -ou seja, para proteger a integridade física ou a vida própria ou de outra pessoa

O que acontece com um proprietário que atira em alguém que tentou invadir sua terra?
Depende da situação. Professora de direito da FGV-RJ, Silvana Batini explica que, segundo a lei atual, um proprietário pode não ser punido por atirar em uma situação de risco. Sua reação, contudo, precisa ser moderada e proporcional à ameaça.Cabe à Justiça avaliar cada caso e decidir se houve legítima defesa ou se houve excesso.

Um exemplo: um juiz pode entender que a exclusão de ilicitude se aplica em uma situação em que a fazenda foi invadida por pessoas armadas no meio da noite, mas que o mesmo não vale para uma invasão pacífica durante o dia."Pode ser que você precise atirar, numa situação limite, mas não se pode criar essa autorização genérica e abstrata. Hoje, pela legislação, não é impossível o emprego de arma para proteger a propriedade. O que não é possível é estabelecer o uso da arma a priori", afirma a professora.

Quais as críticas que os especialistas em direito fazem à proposta de Bolsonaro?
Cinco especialistas ouvidos pela reportagem afirmaram que a proposta de permitir que uma pessoa atire para defender sua propriedade é inconstitucional.O Artigo 5º da Constituição garante ao cidadão o direito à vida e o direito à propriedade, mas eles não são equivalentes. Isso porque, embora a propriedade seja considerada um direito fundamental, a Constituição admite restrições, como em caso de não atendimento da função social, como produtividade e respeito às regras ambientais e trabalhistas.Em relação ao direito à vida, a única restrição da Carta Magna é em caso de guerra.
"[A proposta de Bolsonaro] viola a proteção que a Constituição busca dispensar ao direito à vida, que se sobrepõe ao direito de propriedade", diz Guilherme Amorim, professor de direito constitucional e sócio do escritório Rubens Naves Santos Jr. Advogados.

O que dizem os ruralistas?
Jerônimo Goergen (PP-RS), deputado federal ligado ao agronegócio e integrante da base do governo na Câmara, defende a proposta. "O que o presidente está querendo dizer não é que poderá matar, mas para o ladrão não ir assaltar. É uma lei mais dura, um aviso de 'não vai lá que pode morrer'", afirma.

Para ele, a lei se aplicaria não apenas a invasões de terra para pressionar o governo pela desapropriação da área para a reforma agrária, mas a roubos de defensivos agrícolas, tratores e de animais. "Não temos policial para mandar para o interior. O ladrão sabe que não tem segurança e que os produtos que existem são de alto valor", defende o deputado.

A Sociedade Rural Brasileira (SRB) e a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) não responderam ao pedido da Folha para comentarem a proposta.

E as entidades ligadas aos trabalhadores rurais?
A Comissão Pastoral da Terra (CPT) e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) criticam a proposta e afirmam que ela pode contribuir para agravar a violência no campo.

Segundo levantamento da Pastoral da Terra, o país teve, de 1985 a 2018, 1.466 episódios de assassinatos relacionados a conflitos de terra, com 1.938 mortos. Apenas 8% (117) dos casos registrados nesse período, contudo, foram levados a julgamento -e só 33 mandantes e 101 executores foram condenados."O que ele [Bolsonaro] está propondo é legitimar o que já existe na prática, e os números estão aí para dizer. Já se mata no campo desse jeito", crítica Ruben Siqueira, da CPT.

Quando o governo pretende enviar a proposta?
Isso ainda não foi anunciado. Também não foi dito se seria enviado projeto de lei ordinária ou de emenda à Constituição (PEC). Procurado pela reportagem para comentar essas questões, assim como a possível inconstitucionalidade da proposta, o governo Bolsonaro não respondeu.

Na quarta (1º), o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse que a promessa do presidente ainda é uma discussão "prematura". Questionado sobre esse tema em entrevista à rádio Jovem Pan, ele evitou se manifestar sobre a proposta, dizendo que ainda precisaria conversar com Bolsonaro. "São questões que estão sendo discutidas dentro do governo. Antes de ter no papel exatamente o que vai se propor, quais são os limites do que vai se propor e tal, é muito prematura essa discussão", afirmou. "Eu, sinceramente, não me sinto confortável em discutir esses assuntos. São questões que eu ainda tenho que falar com o presidente, ouvi-lo, discutirmos e colocar algo sólido no papel", completou.

Veja também

Tabata critica Boulos por "escondê-la" em publicação sobre pesquisa
ELEIÇÕES

Tabata critica Boulos por "escondê-la" em publicação sobre pesquisa

"Parece posição do Kama Sutra", diz Barroso ao pedir uso de linguagem mais simples pelo Judiciário
BRASIL

"Parece posição do Kama Sutra", diz Barroso ao pedir uso de linguagem mais simples pelo Judiciário